sexta-feira, julho 06, 2007


PODEMOS CRITICAR AS ACÇÕES GOVERNATIVAS
MAS SÓ EM LOCAIS PRÓPRIOS




A arrogância de alguns dos membros do Governo socialista não para.
Carmen Pignatelli, Secretária de Estado da Saúde afirmou, em referência ao relatório do Observatório Português dos Sistemas de Saúde, que «vivemos num país em que as pessoas são livres de dizer aquilo que pensam” mas criticar o governo só em locais próprios.
Sobre as questões colocadas pelo Observatório, nas taxas moderadoras, a secretária de estado não esteve com meias medidas e respondeu: «já foi tudo tão explicado, até na Assembleia da Republica» e que, para o Governo, é «assunto encerrado e esgotado”.

O Observatório, em relatório, criticou a acção governativa considerando que as taxas moderadoras para cirurgias e internamento, em vigor há seis meses, são uma forma “socialmente injusta” de financiamento do Serviço Nacional de Saúde.

Mas a maior “tirada” deste membro do Governo não ficou por aqui:
A secretária de Estado, também, na apresentação do relatório anual do Observatório Português dos Sistemas de Saúde, criou uma cena de riso na planeia quando disse: «como estamos numa democracia cada um pode dizer o que quer». Mas «só em casa ou nos cafés. Nunca em público”.
Claro que se referia ao caso do professor Charrua e à exoneração da coordenadora do centro de Saúde de Vieira do Minho.
Mas foi, ainda, mais longe no seu entender de “democracia” quando acrescentou que «eu aqui nunca poderia dizer mal do Governo. Como estamos numa democracia, pode-se dizer o que se quer em casa, nas esquinas ou nos cafés entre os amigos. Tem de haver uma sensibilidade social».

Bem! Por este andar só temos de chegar a uma conclusão : - Os socialistas não sabem governar com maioria absoluta. Confundem esta com absolutismo.
Por onde anda a defesa intransigente das liberdades, por parte dos socialistas ?
Será que cada vez mais se afastam dos seus princípios?
Que tenham metido o socialismo na gaveta, eu entendo. Mas os princípios mais básicos da liberdade ? Bem! Não há dúvida que a maioria absoluta subiu-lhes à cabeça.

…Podemos criticar as acções do governo, mas só em locais próprios.
Volta, Salazar, estás perdoado!
Se é que temos de “perdoar” alguma coisa…. È apenas um velho ditado português
Manuel Abrantes

Comentários:
E quanto aos meios de difusão social... Só dão para facéquiar.
Pergunta: A propriedade dos meios de comunicação não tem mesmo nada a ver com o quê lá se publica e edita?
Resposta: Já (quase) ninguém acredita nisso.
Independência? Seria caso para sorrir, não fosse estar em causa o futuro da Nação. Acrescente-se a isto as tentações controladoras do governo, os telefonemas dos seus assessores de imprensa para as redacções; e as novas regras, semi-policiais, da comissão de atribuição da carteira profissional, assim como a nova legislação para o segredo de justiça.
Pensará o governo: "A verdade é só o quê se publica".
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]