domingo, julho 08, 2007


QUANDO O SENHOR “QUINHENTOS EUROS” FAZ FRENTE AOS “SENHORES MILHÕES”.

A campanha eleitoral à Câmara de Lisboa decorre na chamada normalidade democrática.
Para os principais órgãos de informação apenas existem sete candidatos dos doze que concorrem. È o Costa, o Negrão, o Ruben, o Carmona, o Sá, o Telmo e a Helena. Todos os restantes não passam de intrusos neste sistema, dito, democrático.
A cidade encheu-se de propaganda eleitoral e os grandes restaurantes com faustas almoçaradas e jantaradas das campanhas dos “grande senhores” desta democracia. Os principais órgãos de informação não se cansam em divulgar, diariamente, estas actividades eleitorais. Mas, só e apenas, dos chamados “sete magníficos”.

Mas, o Zé. O verdadeiro Zé . O José Pinto-Coelho, candidato dos Nacionalistas do PNR?
Vai falando para os grandes órgãos de comunicação social quando o deixam e, cada vez que o faz, é mais uma (muitas) pedrada no charco desta lamacenta e putrefacta pseudo-democracia.
Com os seus quinhentos euros para gastar na sua campanha lá vai fazendo frente aos “senhores milhões”.
Pode comer, apenas, uma simples sandes - e quando há dinheiro para isso…- no decorrer da campanha, mas que vai criando indigestões aos senhores milhões. Isso, vai!
E, a prova disso, é que nas últimas sondagens já lhe davam 1, 1 %, o que levou à comunicação social começar a entrevistar todos os outros candidatos da chamada “segunda linha”.
Cruzes, canhoto ! O líder dos Nacionalistas a aproximar-se, em votos, da zona dos partidos com representatividade parlamentar.

Pois é! Podem esperar bem sentadinhos. Comecem lá a preparar as cadeirinhas em S. Bento e podem irem-se preparando para “chuparem” com a voz dos Nacionalistas.

A PÀTRIA e a FAMÌLIA irão ser temas que o hemiciclo de S. Bento irá ouvir de viva voz.
Isto, sem esquecer – de forma alguma! – que o respeito a DEUS e à Igreja de tradição do nosso Povo, irá ter uma voz que, sem qualquer rasgos de oportunismo político, ecoará no hemiciclo de S. Bento.

Podemos não ter dinheiro nem para comer, quanto mais para cartazes ou grandes almoçaradas. Mas, temos a força do querer e a consciência da vitória.
Cartazes? Só quando não há campanhas eleitorais e porque são mais baratos e, mesmo assim, é necessária uma colecta entre militantes.
Uns jantaritos ? As vezes, desde que não se pague mais de 10 euros, porque os comensais não têm dinheiro para mais.

Nada disto importa! A força da razão está acima da razão do dinheiro. O sistema Democrático porque lutamos não se compra com dinheiro.
Adquire-se com a HONRA, com a defesa dos valores da FAMÌLIA e, acima de tudo, com a defesa dos valore PÀTRIOS:
E, DEUS, há-de nos proteger nesta cavalgada até à vitória final!
Não importa a “barriga a dar horas” nas campanhas eleitorais porque o coração –esse - está bombeado pelo espírito e pela força do querer.
Manuel Abrantes


Nota: O único apelo que faço é que o Povo de Lisboa, Vote.
Vote com a sua consciência, independentemente do candidato que for.
Mas, Vote no próximo dia 15




Comentários:
No ponto. Excelente.
Abraço, bom domingo,
 
Sou nacionalista e nao me sinto minimamente representado pelo Pinto Coelho. Para mim , para muitos como eu , Pinto Coelho não é nem nunca será o lider dos nacionalistas. É o lider de um partido , que tempos houve (apesar de afastado das luzes da ribalta) com ideais verdadeiramente nacionalistas. Um partido nunca ser lider, muito menos quem o "comanda".

Viva Portugal!
Viva o espírito Português
«Tudo pela Humanidade, nada contra a Nação»
 
Sr celta
Tinha todo o prazer em ler sobre esse partido "com ideais verdadeiramente nacionalistas".
Não se prive.
Comente.
 
a vergonha que o camarada ABRANTES aqui diz é bem verdade ! agora que os nacionalistas ja aparecem nas estimativas , tentam a todo o custo menospreza-lo ja que as mentiras do custume ( racismo e intolerancia e os cabeças rapadas que mataram um angolano na decada passada e os nacionalistas so querem é desordem e criminalidade e ...) ja nao pega ! agora que o PNR aparece nas sondagens e á frente de alguns dos chamados pequenos , os jornalistas censuram-no ainda mais . a vergonha ja cheira a podre nesta democracia pouco ou nada dada a liberdades que fujam as cores do sistema !
 
que pena não votar em LX
 
Para uns nacionalistas, é O Deus; para outros, - por ex. Caturo - são os deuses - e as deusas.
Mas claro que a nível político-sociológico existe melhor sintonia.
 
Gostei muito da coragem, frontalidade e verdade de Pinto Coelho no debate televisivo de hoje (9/7). Foi o único que abordou frontalmente os problemas - nomeadamente a questão do aeroporto - com uma franqueza de louvar. Parabéns.
 
Grandes intervenções do Pinto Coelho no debate telivisivo, especialmente a declaração final.
Que pena não votar em Lisboa.
 
Caro Abrantes
Chamar à actual democracia putrefacta e pseudo e depois invocar ideias como o Estado Novo e os idiais de extrema direita, não lhe parece um pouco contraditório?!
É que o último Estado Novo que tivemos nem pseudo democracia era.
 
sr.Rui Amaral
Este blogue tem o nome de "Estado Novo" mas não defende, para os dias de hoje, esse tipo de regime.
Respeita o passado mas não deixa de criticar o que tiver de criticar sobre as politicas desse tempo.
A Democracia, só por si, não é o garante das liberdades e da honestidade politica.

Luto por uma Democracia. Tal como o fiz noutros tempos.
A Democracia não tem culpa da podidrão a que chegamos.
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]