sexta-feira, setembro 21, 2007




O NACIONALISMO E O RACISMO

A comunicação social continua a incutir na opinião pública o nacionalismo como uma forma de pensamento político racista.
Tudo isto, porque muitos dos que se intitulam de nacionalista baseiam-se em pensamentos políticos do passado que foram fortes ditaduras baseadas no conflito de raças. È o caso do nazismo.
O nazismo nada teve a ver com o Nacionalismo Português. Nada teve a ver nem nada tem, especialmente, nos dias de hoje.
Ser Nacionalista é defender os valores pátrios, a história e as tradições do povo. A Pátria, a historia e as tradições do povo português nada tiveram, nem têm, com manifestações de racismo.
Há 33 anos atrás fomos um império do Minho a Timor onde, debaixo da mesma bandeira, se albergaram brancos, pretos e asiáticos. Debaixo da mesma bandeira se albergaram católicos, muçulmanos e budistas.
Para um nacionalista a história e o passado da Nação Portugueses é motivo de orgulho e do respeito máximo. Uma história que deu uma lição ao mundo pela forma como reuniu raças e credos.
È nessa base que o Nacionalismo Português se deve pautar.
O Nacionalismo Português nada tem a ver com manifestações de racismo porque o Nacionalismo Português actual deve ter como princípio a defesa do passado e da História de Portugal. Uma História onde o racismo jamais entrou.

O Nacionalismo Português tem de se basear na sua história e não em filosofias politicas que nada tiveram a ver a com a História-Pátria. E não confundamos o problema actual da imigração como uma questão de raças. Este problema, que urge resolver, é uma questão de pessoas e não da cor da pele.
Os donos e senhores do poder politico actual – estejam ou não no poder – começam a preocupar-se com a crescente onda Nacionalista. Por esse motivo, e utilizando a arma propagandista, querem enjaular o Nacionalismo numa redoma de racismo e, até, de xenofobia.
Muitos dos que se intitulam de “nacionalistas”, infelizmente, dão-lhes as armas e o mote para isso. Cabe-nos a nós, Nacionalista de Portugal, contrariar essas tendências e desmistificar, de uma vez por todas, essa propaganda falaciosa.
Porque, para nós, a Pátria, a História e a Família não se discutem. E quem não discute a Pátria, a História e a Família - o que não quer dizer que sejam assuntos tabus, antes pelo contrário…- a cor da pele é secundária. O importante é o amor à Pátria o respeito pela História e a defesa da Família.

Nota: Tal como afirmei anteriormente, sempre que opino sobre Nacionalismo e as suas estratégias políticas dou o nome mas também dou a cara. Por isso a foto de cima.

Manuel Abrantes

Comentários:
Caramba! Pareces mais novo!

Não te esqueças é que o único partido, que é Nacionalista é o P.N.R.
Os restantes estão ao serviço dos lobys estrangeiros.

marques
 
Marques
O ùnico - até ao momento- que se assume como Nacionalista é o PNR.
Tens razão!!!

Pareço mais novo ?
Pois pareço...
Deixei de me preocupar com certa muidagem (???) que tem a mania de se assumirem como racistas e admiradores do tio hitler (com letra pequena porque não mereçe mais).

Fiquei mais novo!
Pois fiquei.
Tú também podes ficar. É só dizeres não ao "jardim infantil" de certa rapaziada que um dia - um dia... - militarão nesses partidos "ao serviço dos lobys estrangeiros".
Tens exemplos disso...
Um abraço - amigo, mesmo AMIGO - Marques.
MA
 
Todos esses valores, Pátria, História Família, Autoridade, Trabalho estavam subordinados à causa do mundo, iluminados pelo espírito superior: Deus.
 
Quem te ve escrever parece que o o renascer do nacionalismo em Portugal e o seu crescimento nao tem raizes identitarias ou racialistas.Continuas a a fazer a confusão entre um patrioteirismo e o nacionalismo,entre a Nação e Patria.Nação:Povo de uma mesma Estirpe; Patria: Estado.

Não é muitos dos que se intitulam,é que saão mesmo nacionalista ao contrario de ti um mero patrioteiro conformado com o seu modo de viver para quem nada diz o perpetuar na Memoria do seu Povo ,que é indo europeu e não as mulatas que gostarias de fornicar caso a virilidade não te fosse algo mais que um saudosimo.

Racista primario és tu e outros caducos que não reconhcem a capacidade a outros povos de serem auto determinados.

A imigração sim é um problema de raças,porque as migrações intra europeias ,usufruindo de condições socio economicas muito piores,sem os beneficos que hoje sao facultados aos teus adorados filhos do imperio nunca provocaram tal crescente criminalidade.A migraçao de Portugueses e outros Povos latinos para França,vivendo em Bidon villes nunca andaram a queimar carros ,violentar mulheres autoctenes apenas porque estas não partilham da sua moral e visão do mundo.

Nacional-Scocialistas,Nacional-revolucionarios,Nacional anarquistas,Fascistas tem algo que é comum a todos e factor que os aproxima que é a defesa da nossa identidade racial e cultural,coisa que patrioteiros como tu renegam,para quem Portugal se resume ao Estado.

Cabe sim a nos nacionalistas defender Portugal de pessoas como tu que alinham pelo mesmo diapasão do multiracialismo globalizante que destroi as Nações Europeias.

Deixa que conspurcar o termo Nacionalista tu e os outros quejandos da tua laia que estão la pelo asilo.


Como podes ser amigo de alguem quando porcamente refereste a alguem tom bastante depreciativo da forma como este amigo se exprime e das suas ideias

Miguel
 
Olhe Miguel
Nem acredito que seja esse o seu nome.
Eu não confundo a Pátria com a Nação nem confundo o Povo com o Estado.
E sabe porque?
Porque respeito ambos e entendo – e luto por isso – que deva existir simbiose entre o Povo e o Estado. O que não é o caso actual.
A imigração, se para si é um problema de raças, para mim o imigrante não tem cor da pele. O problema é o imigrante e não a cor da pele dele.
E quanto ao teor da sua missiva carregada de ódio e de ressabiadas palavras injuriosas só lhe posso dizer uma coisa:
- Tenha juízo nessa cabeça oca e não faça do pensamento Nacionalista propriedade sua e coito de meia dúzia de ignorantes de pensamentos arcaicos e dignos do caixote do lixo da história.
 
è por causa desta porcaria de gente como este Miguel que o nacionalismo dificilmente terá futuro em Portugal.
Para eles nacionalismo é dar porrada nos pretos.
Besta quadradas que de nacionalista não tem nem uma ponta de um corno.
Apaga estes gajosque nem mereçem a agua que bebem.
São racistas parvos que não sabem o que querem.
tb assino:
Migue, João. Mário, António
 
Abrantes voce e outros patrioteiros de meia tigela são o cancro que sempre andou desde há 33 anos a conscurpar o movimento nacionalista nas suas varias tendencias com ideias imperialistas que de nacionalistas nada tem.Cabeça oca tem voce que de nacionalista nada tem como mais 2 ou 3 cobardes que não passam de porcos imundos que nada mais fazem do que procurar vilependiar e criticar todos aqueles que tudo tem feito pelo triunfo do nacionalismo em Portugal ,pelo deixar da letargia que foi inundado por parasitas da sua igualha durante 33 anos.
Muitos tem contribuido para a divulgação e afirmaçao do nacionalismo,de identitarios a nacionais socialistas passando por fascistas,mas qual o contributo prestado por voce e mais 2 ou 3 do seu feudo?
Zero,simplesmente zero.
Sinceramente deve de se julgar o novo D.sebastião do NAcionalismo Portugues, o grande ideologo e intelectual do Nacionalismo.

Por muito que não queira o futuro do nacionalismo será sempre identitario ou racial como preferir bem como social,o resto quanto á corrente politica a seguir a seu tempo se decidira,o combate hoje em dia primordial é a defesa da nossa estirpe ,contra o capitalismo globalizante com que o patrioteirismo que o voce defende tão bem anda de braço dado
 
Os comunas não diriam melhor
 
O problema de certa estirpe nacionalista ( não acredito que o sejam) é que é de bom tom e está na moda (nem que seja para fazer um bonito à namorada)defender isso da cauda identitária e racial.
Talvez essa juventude me ensine o que é que isso quer dizer.
Já passei do 60 e há muito e nem sequer sei o que é que isso quer dizer.
Sou branco, branquinho e ribatejano.
 
Antes de mais deixo esta pergunta aos amigos, que defendem a supremacia da raça portuguesa:
o que é que querem fazer aos imigrantes e até àqueles que são portugueses e não são verdadeiramente caucasianos?
Correm com eles, encerram-nos em campos de concentração, fuzilam-nos, transformam-nos em adubo, o querem fazer deles?
É que não vale a pena estar a dizer que temos de defender a nossa raça, apenas por dizer, tem que se ter uma ideia concreta da solução a dar, só conversa não leva a nada.
Estar a destilar ódios, meus caros, só conduz ao aquecimento da moleirinha e não resolve nada, a não ser pôr os defensores dessas ideias, atrás das grades, e agora pergunto-lhes eu: será que nessa posição (de presos), conseguem solucionar alguma coisa, ou ainda não perceberam que, acabam é por dar imenso gozo aqueles de que vocês não gostam, para além de ajudarem a enfraquecer a defesa da pátria, não dos imigrantes, mas daqueles que os usam como forma de pressão contra os portugueses, o grande capital e as máfias associadas.
A defesa da Nação faz-se com a cabeça fria, de uma forma correcta e não de forma emotiva ou com os sentimentos à flôr da pele.
Aqueles que defendem o NS, esquecem-se que, caso este tivesse ganho a 2ª G.M., certamente seriamos cidadãos de 2ª ou pensam que seriam tratados como iguais?
Por acaso já trabalham com alemães, não os "vossos camaradas" alemães, mas com "civis" normais?
É que, ainda hoje, os alemães se julgam superiores aos outros, e olham "os não iguais", sempre de cima, foi por isso que Hitler conseguiu "impingir" o NS aos alemães, na realidade eles já tem em si esse gene, depois é apenas uma questão de o "trabalhar".
Agora proponho-lhes o seguinte: estudam entre vós uma solução a dar aos individuos de outras raças e etnias, depois façam um inquérito de porta-a-porta, na rua, onde quiserem e vejam depois quantas pessoas é que tem a apoiá-los e dispostas a ir decididamente convosco, resolver o "problema".
Aí certamente ficarão com a ideia do apoio às vossas ideias, agora enqunto apenas fizerem tertúlias entre vós, e pensarem que está toda a gente convosco, nunca irão a lado nenhum e não resolverão nada.
Numa altura em que os grandes interesss económicos, as máfias, os partidos do sistema, tentam denegrir o Nacionalismo, as vossas ideias, e muito mais ainda a divulgação pública delas, só dá armas ao sistema para denegrir o movimento nacionalista, levando o público a afastar-se deles e motivando a sua ruína, será isto que querem.
Vá lá, façam lá o tal inquérito e depois digam qualquer coisa.
 
Errata:
não é «já trabalham com alemães...», mas sim «...já trabalharam com alemães...»
As minhas desculpas pelo lapso.
 
Meu caro Abrantes,

Faça alguma verdadeiramente pelo país, vá para as ruas colar nem que seja um autocolante, entregar um panfleto, ajude um invisual a atravessar a passadeira, no fundo faça algo e deixe de falar dos racistas, intolerantes, nazis o que seja, porque sinceramente parece que você só existe porque eles existem, não porque realmente queira fazer algo pela nação.

Diferença entre si e o Carlos(okupa) que vive ali na barraca 202 da minha rua é mesmo o cão e o garrafão de vinho na mão.

Atenciosamente
Cotãozinho
 
O importante é o amor à Pátria o respeito pela História e a defesa da Família. (sic)
Um abraço
 
Louvo a coragem do Sr Manuel Abrantes. Mas só ao fim deste tempo todo, é que descobriu que o PNR estava dominado pela miúdagem?

Bem mais vale tarde do que nunca

Um forte abraço

Rodolfo
 
Sr Rodolfo
Está enganado.
Sempre vi essa "miudagem". Contudo, sempre esperei que essa "onda" fosse diluída com a entrada de outro tipo de militantes.
Não aconteceu. Antes pelo contrário...
Há muita gente que "cavalga", tipo surfistas, em cima dessa "onda"´ o que lhe dá jeito para atingir os seus interesses pessoais .
Não alinhei nisso.
Saí !!!
A organização do pensamento político Nacionalista - para mim - não passa pelo PNR. Passa pela organização de militantes conscientes das realidades políticas e com a coerência politica necessária para que o Povo Português nos aceite como organização politica credível.
Passa pela apresentação de propostas politicas como alternativa às políticas actuais.
Passa pela alternativa e não pela alternância. O Nacionalismo é a alternativa à calamitosa situação actual.
 
Sr. Abrantes, o que para si tem mais impacto para acordar esta sociedade adormecida?
Uma manifestação de protesto contra problemas sociais, como por exemplo: a manifestação de 18 junho de 2005, contra a criminalidade, ou meia duzia de intelectualoides a discutir numa cave as soluções para um Portugal melhor?
Sim, a "miudagem" que o senhor refere dá visibilidade a um partido que estava morto, enterrado. Enquanto que os senhores intelectuais,que sabem falar bem e tudo mais, ficam fechados na cave,a fumar a sua cigarrilha ou cachimbo, não apanham ar e depois ficam doentes dos pulmões,como ficavam os ociosos de 1800 no tempo do Eça.
Aconselho que deviam sair mais a rua para apanhar ar, para falar com o povo, com a miudagem...ver a realidade do país.
Aposto que ficaria mais bem dispostos e não andavam a criar bodes espiatorios, para desculpar as suas frustações.

Uma miúda do PNR
 
Olhe srª "miuda" do PNR.
A sociedade não está tão adormecida como pensa.
A sociedade não encontra são alternativas credíveis às políticas actuais.
O Nacionalismo não se impõe com manifestações de rua aos gritos.
Quem acha que é por essa via, que o faça. A comunicação social adora isso, sempre tem algo para escrever e fotos para publicar.
E que leu o seu comentário deve pensar que os seus “camaradas” andam na rua todos os dias a propagandear o Nacionalismo.
Criem propostas concretas sobre o Ensino, a Industria, o Comércio, o desemprego, a insegurança, etc. Porque isso de dizer, meramente, que está mal já toda a gente o sabe.
Apresentem alternativas com pés e cabeça.
Apresentem-se ( vocês, eu não sou partido) com propostas alternativas de governo. Apresentem o texto de uma nova Constitução- por exemplo.
Agora sou eu que lhe digo:
- Deixem de andar a passear as frustrações pela net.
Vocês é que são militantes partidários e representam um partido. Eu não!
 
Manuel Abrantes
O senhor está no caminho perfeito.
È criticado pelos comunas e pelos radicais ditos "nacionalista".
É a prova cabal que as suas idéias assustam muita gente.
Não pare- mesmo que isso lhe custe.
Há muito que leio o que escreve neste blogger e sintonizo-me com as suas idéias e princípios.
O Nacionalismo Português não tem nada a ver com radicalismos estrangeirados nem com cabeças rapadas.E muito menos com racismos e outros termos.
Não desista.

Mário Contumélias
 
Gostemos – ou não – do que por aqui se escreve, há algo que é indiscutível:
- Uma filosofia política que, e desde sempre, foi conotada com radicalismos políticos tais como: racismo, fascismo e outras intolerâncias sociais, está a ser confrontada com um Nacionalismo de cariz democrático e respeitador dos princípios da tolerância.
O feudo dos radicalismos ortodoxos de pensamento totalitário tem um adversário.
Um conselho senhor Manuel Abrantes:
-O senhor vai, e já está, a despertar mais ódios nos radicais-fascistas e racistas do que nos detractores dos chamados movimentos nacionalistas.
Os detractores: detractam. Os radicais-fascistas: agridem
Eu sei que o senhor os “tem no sitio”. – Peço desculpa.
Mas pode ter uma certeza: tem mais gente consigo do que pode imaginar.

Não vou assinar porque qualquer nome que subscreva soaria a falso.
 
Quantas propostas crediveis apresentou durante o tempo que foi conselheiro do PNR?

Os Camaradas nacionalistas quer do PNR quer de outras organiza~çoes como a CI ou a TIR fazem o possivel dentre dos seus meios para sempre que posssam vir para as ruas propagandear e defender o Nacionalismo como solução para Portugal,não será possivel estarem todos os dias na rua,é uma verdade pois ao contrario de si precisam de trabalhar bem duro para poderem sobreviver na sociedade de hoje em dia resultado da inacção de burgueses situacionistas como o senhor que durante 33 anos nada mais fizeram que meras tertulias para amigos e circulos restritos.

Alias segundo suas palavras de a algum tempo voce foi mesmo um dos que alinharam com a traição dos capitães de abril,coisa alias bem demostrativa do seu caracter oportunista e situcionista.
Será que as suas palavras sao mero odio ou inveja daquilo que tem sido conseguido pelo PNR?
Qual a sua opinião de organizações como a CI ou a TIR cuja base de defesa da identidade etnica e cultural de Portugal não difere substancialmente da do PNR ou não fossem alguns dos membros das referidas organizações votantes e apoiantes do PNR,inclusive alguns quadros do mesmo.
 
Sabes! Eu desde os meus 13 anos que sou Nacionalista.O único partido que pertenci foi o M.I.R.N até aderir ao P.N.R.Sempre fui contra os partidos que ocupam Portugal há já 33 anos.
Aos 15 anos entrei para o M.N pertenci ao Grupo de Campo do M.N e fiz a guerra ao sistema, com listas nacionalistas nos Liceus de Lisboa.Nunca a minha vida foi facilitada devido as minhas ideias. Nunca deixei de ser católico e Nacionalista e sempre respeitei as ideias de outros camaradas Nacionalistas. No momento certo e quando o prisioneiro da liberdade era vivo, lutei pela sua libertação, que só ocorreu com a sua morte. O meu Nacionalismo não é patriotismo. E estou ao serviço da Nação e não do Povo, e a minha luta é para que o povo esteja ao serviço da Nação. Mesmo que a luta pela minha Nação estivesse perdida eu estaria lá, no combate, poderás dizer que sou um idealista mas eu digo:
No me prego! no me prego!
Estou no único partido Nacionalista , porque estou por Portugal, o resto não importa. E é uma honra para mim estar com o José Pinto Coelho, servir o P.N.R e servir Portugal, pois a minha honra também se chama fidelidade.
Antes a morte que a desonra.

Bem hajas Abrantes, más não sirvas falsos senhores e esses sim são pequeninos e bem miudinhos e4 ocupam o meu País há 33 anos.
 
Marques:
Se esse é o teu caminho de luta, quem sou eu para dizer se estás ou não no caminho certo.
SE acreditas no partido, na sua praxis política e no seu lider segue a tua consciência.
Eu, como deixei de acreditar nessas vertentes, seria uma traição a mim próprio continuar a fingir que concordava. Por isso, abandonei.
Ambandonei o partido mas não o movimento Nacionalista. Há mais formas de lutar por aquilo em que acreditamos.
È o que estou a fazer!!!
Podes crer.
Começa a aceitar a idéia de que o PNR - sendo no momento o unico partido Nacionalista - não é a ùnica via nem detem o monopólio do pensamento Nacionalista.
Não há detentores da verdade absoluta nem donos do pensamento político.

Seguem em frente e que DEUS te proteja. Amigo!!!
Manuel Abrantes
 
Ser anónimo das 12:37
Sabe porque é que eu todos os dias, incluindo fins de samana, estou em frente a um computador?
Ah e sem férias!
Sabe?
Porque tenho uma familia (numerosa) para sustentar.Não tenho patrão para me dar ordenado.
Proposta ou não enquanto fui conselheiro ( só tive 3 reuniões)é um assunto interno não é para aqui discutido.

Fique bem claro que não uso linguagem escrita ofensiva à dignidade de ninguém. Por isso agradecia que fizesse o mesmo.
Agradecia e mais: exijo-lhe isso aqui neste blogue. Ok?
 
O sr Marques definiu tudo quando escreveu:
"O meu Nacionalismo não é patriotismo. E estou ao serviço da Nação e não do Povo".
Está tudo dito e explicado sobre esse partido a que chamam de PNR.
È uma nação sem povo que querem constituir.
Pobre Portugal que tais filhos(???) tem.
Se não gostam do povo porque é que lhe andam a pedir o voto?
È mentira?
Mentirosos!!!
Mentirosos!!!
Mentirosos!!!
è o que, minimamente, posso dizer sobre este tipo de gente.
São mais mentirosos do que o Soares e a restante camarilha de pseudo-democratas.
Já tinhamos a politica cheia de trampa veio agora mais uma que transanda de mau cheiro.
Ainda tinha alguma esperança sobre esse pn- qualquer coisa mas não passam de gentalha igual ao loução e a mais porcaria de gente.
Depois de ler o que esse senhor escreveu esta´tudo explicado.
 
«...O meu Nacionalismo não é patriotismo. E estou ao serviço da Nação e não do povo, e a "minha luta" é para que o povo esteja ao serviço da Nação...».
Uma típica tirada NS, que apenas consegue afastar as pessoas normais do Nacionalismo.
Antes de mais recomendo que, quem assim pense, que procure rápidamente ajuda médica, vive num estado de frustração e confusão, que mistura os pés pelas mãos.
Vanos lá ver se nos entendemos,
em primeiro lugar este sr. não percebe, que está a "recomendar" uma ditadura, a um povo que já viveu numa e disse ter ficado farto.
Essa do "povo ao serviço da Nação" no seu conceito e trocado por miúdos, é dizer que um povo estará ao serviço do Estado, ou seja, das forças políticas que dirigem o país.
Então é assim que entende o nacionalismo?
Será que o único Nacionalismo, é o chamado Nacional-Socialismo?
Será que gostaria de viver numa nação, em que, fosse controlado no mais pequeno passo, que tivese os seus filhos ou familiares a espiá-lo para o denunciar, caso "mijasse fora do punico"?
É este o conceito de "estar ao serviço da Nação"?
E se por acaso, o "führer" disse-se que tinha de lamber o chão (senão coisa pior), também iria fazer?
Nação, é o conjunto do seu Povo, da sua língua, das suas tradições, da sua cultura, enquanto o Estado é entendido, como a direcção política dum país, confundir uma coisa com outra, é o mesmo que dizer, que o amarelo e o azul, são duas cores iguais.
Com "nacionalistas" destes, não há-de faltar muito e o Nacionalismo pode arrumar as malas e partir para outro lado, aqui não se safa.
 
lusitano
Nem todos os Nacionalista pensam como esse Marques.
Veja o caso do autor deste bloguer.
Esse sim é o Nacionalismo com futuro e que pode ser assimilado pelas massas populares.
Pelo que tenho lido nos cometarios do senhor lusitano, também, pensa desta forma.
Todos juntos podemos impor o Nacionalismo como uma alternativa às politcas que nos são impostas.
 
Lusitano por acaso essa afirmãção foi feita por um camarada que se guia pela doutrina Fascista na qual oEstado se sobrepõe ao Povo ao contrario do Nacionalsocialismo o qual asenta a sua relização no Povo ,o estado a sua razão de existir é o Povo.Mas tudo isto são meras divergencias de corrente ideologica que não são o fundamental nos tempos actuais no qual o combate prioritario será o combate pela defesa da nossa identidade racial e cultural bem como o combate ao capitalismo apatrida que busca a asfixia das Nações
São estes os pontos comuns ás varias correntes do Nacionalismo e pels quais deve de existir uma frente comum.
Agora o que defende aqui neste espaço o antigo capitão de abril nada em a haver com o combate do nacionalismo em Portugal e na Europa.
Aconselho o vivamente a contactar com Nacionalistas Italianos,Alemaes,Belgas paises onde o nacionalismo se encontra bem mais desenvovido e onde poderá observar as traves mestras do terá de ser o combate pela liberdade do Povo Portugues.



"Nação, é o conjunto do seu Povo, da sua língua, das suas tradições, da sua cultura, enquanto o Estado é entendido, como a direcção política dum país, confundir uma coisa com outra, é o mesmo que dizer, que o amarelo e o azul, são duas cores iguais."

Plenamente de acordo e o seu povo e tradições corresponde a uma herança etnica que deverá ser perpetuada na memoria a menos que como o sr Abrantes (com letra pequena porque alguem que fale mal de alguem que chame amigo pelas costas não merece mais)considere que a cachupa como tradição gastronomica Portuguesa ou o kizomba como foclore nacional equiparado ao vira minhoto.
Considerar tal é como como dizer que o amarelo e o azul são ambas a mesma cor
 
simplesmente hilariante este conceito de estar ao serviço do povo. E deve ter sido por isso que todos os opositores do adolfo foram «homenageados».
Não há ditaduras boas ou más.
Ou existe liberdade ou não.

"Eu aprendi muito com o Marxismo, como não hesito em admitir. A diferença entre eles e eu é que eu tenho posto em prática o que esses 'revolucionários teóricos' têm começado timidamente ... Eu tive apenas de concluir logicamente que a Social-Democracia falhou repetidamente devido à sua tentativa de realizar a evolução dentro da estrutura democrática. O Nacional-Socialismo é o que o Marxismo poderia ter sido se ele tivesse quebrado suas ligações absurdas e artificiais com a ordem democrática."

Adolf Hitler
 
Têm todos muita razão.
E, depois, o teorico e o Nacionalista de sofá sou eu.
Continuem a ler as estrangeiradas porque estão no caminho certo.
Eu continuo a aprender com a "ti Manel e a ti Maria" que são os meus ùnicos mentores políticos.
 
Estamos a assistir ao "nascimento" de um novo conceipto de Nacionalismo?
Um Nacionalismo que se pauta pela via democrática e respeitador do Direitos das Liberdades e Garantias?
Um Nacionalismo contestatário mas assumindo-se democrático e rejeitador de todas as filosofias fascistas ?
Alguem que me responda.
Mário Contumélias
 
Sr Cometadores.
Façam os comentários que entenderem sem ofenderem ninguèm.
Todo e qualquer comentário ofensivo a alguém será apagado.
ok?
 
Sr Mário Contumélias
Peço desculpa por ainda não ter respondido às suas questões.
Não estamos a assistir "ao nascimento" de nenhum novo conceito de Nacionalismo.
Não existe Nacionalismo sem Povo. E o Povo de Portugal já disse Não!!! a qualquer tipo de ditaduras, sejam elas fascistas ou comunistas. Por isso, o ùnico Nacionalismo que aceitam passa, forçosamente, pela via democrática.
O que não quer dizer que os Nacionalistas não apresentem alternativas crediveis à actual bagunça a que dão o nome de "democracia".
Os Nacionalistas não confundem esta bagunça com a verdadeira democracia. Os Nacionalista lutam por um sistema democratico, aberto e pluralistas das correntes de opinião, numa sociedade de Liberdade e de Pão.
Uma sociedade onde os valores da Nação, da família e do respeito entre todos os cidadãos impere.
E para se conquistar isso temos de ser poder. E a única via para chegar ao Poder é pela via eleitoral. E para se chegar ao número de votantes necessários é preciso que uma grande parte dos portugueses aceitem a nossa mensagem.
Não é com radicalismos nem com filosofias caducas de totalitarismos estrangeiros que conseguimos lá chegar.
 
O que me dá gozo é ver os fasciats e os nazis a conspirarem contra a democracia e a gritar por ela sempre que se vem com o rabo preso.
é so ir ao ninho nazi do forum nacional para se ver isso.
 
Abrantes por acaso oPNR não é pela Democracia?
Ou agora ser anti imigracionista, pelo restablecimento do criterio do jus sanguinis e por ser contra o liberalismo economico deixa de ser democratico.Não consigo entender o que andou a fazer todo este tempo no PNR quando este mantem a mesma linha desde a altura anterior á sua entrada como até hoje.Possivelmente quem mudou foi voce como já anteriormente o havia feito,facto que demostra por si a sua coerencia ideologica.
Ao menos as suas estorias como a da conf realizada em bar pelo 25 abril tinha o condão de animar a risota geral pelo nivel surreal e fantasioso que as caracterizavam.
E as suas constantes afirmações sou Salazarista e Fascista coisa que hoje renega ao procurar denegrir pessoas que se revem nestas linhas.
Só o posso entender ou por muita falta de coerencia ou caracter seuou então por pura cobardia com medo do sitema repressor desta partidocracia que desde sempre tem atacado os nacionalistas,e como tal muito mais comodo esta sua nova posição.
Como quer respeito pela sua visão se nada mais faz do que deitAr abaixo qualquer outra doutrina do nacionalismo que não a sua bem as pessoas que as defendem.
Curioso nunca quando á frente destas pessoas tomou tal actitude,mais uma vez prova de cobardia e hipocrisia.
 
Olhe sr comentador de cima
Nunca me viu afirmar como fascista. Deve estar a brincar ou a mandar palpites.
Respeito quem se assuma como tal. Mas não perfilho de tal ideologia.
Nem nunca perfilhei mesmo no Estado Novo ( Regime Corporativo)

Ser Salazarista.
Não deve ter atenção ao que escrevo neste blogue.
Não há salazarismo como ideologia.
Se ler bem todos os textos que escrevi sobre Salazar - e foram muitos -obominei sempre essa do "salazarismo".
O "salazarismo" não existe como ideologia política.
Tenho um grande respeito e admiração pelo estadista, mesmo contestanto muitas suas politicas.
Isto está escrito aqui, dezenas de vezes.
Também nunca me viu nada escrito por mim que seja contra a linha do PNR (Programa de Base e Estatutos).
Sou é contra a sua praxis política radical e, muito especialmente, contra a influência predominante de gente que nada tem a ver com o Nacionalismo em Portugal.
Podem ter com o germãnico, mas com o português não têm.

Portanto escusa de andar com provocações que só lhe estou a responder porque não utilizou nenhuma palavra prejurativa.
Utilizou a provocação e a mentira. Isso sim.
Mas se me quiserem chamar de fascista, posso dizer-lhe que, mesmo assim, prefiro essa do que me chararem de comunista.
Manuel Abrantes
 
Ah. E sobre essa da cobardia.
Dou a cara e o meu nome.
Não me escondo atrás de pseudónimos quando publico as minhas opiniões sobre o Nacionalismo.
Percebeu sr anónimo?
 
As opiniões a as idéias do Manuel Abrantes começam a causar calafrios nas fileiras dos radicais. Para não lhe chamar de racistas, xenofobos e defensores do totalitarismo.
Essa gente (não lhe chamo miudagem porque são bem crscidinhos)só não comem este espaço cibernautico porque o não podem fazer.
Eu nunca fui por essa coisa do nacionalismo mas sempre admirei o que por aqui se escreve.
Força Abrantes que a mão nunca de doa. Nem a mão para escrever nem o pensamento.
ana
 
se um abrantes incomoda muita gente
lalalalala
milhares de abrantes incomodam muito mais
lalalalal
 
Em relação aos seu escrito já vi muitas criticas ao PNr e relembro particularmente uma em que referia em modos menos proprios ao SR Presidente do PNR Jose PInto Coelho ,no qual dizia algo como o lider dos radicais afirma coisas sem nexo.
Em relação as pessoas que voce constantemente ousa em denegrir elas tudo tem dado pelo nacionalismo portugues,defendem um POrtugal que preserve a sua identidade etnica e cultural,um estado que seja verdareiramente social para com os Portugueses,em que estes mesmo se revejam,no qual não abdicando do capital,mas sim pondo no seu devido lugar isto é na defesa de Portugal e os trabalhadores.Coisa que parece lhe faz muita confusão.

Pessoas essas que sem medo sairam para as ruas e trouxeram de novo o nacionalismo para as ruas e nao falo sou de nacional socilistas bem como de identirarios e nacional.revolucionarios entre outros.Onde estava o senhor nestes momentos?Estas pessoas são hoje perseguidas como o foram no passado apenas por que se opõe ao sistema partidocratico vigente ,mas ao contrario de alguns continuam na luta sem medos prontos a se tiver de ser ppagar pela defesa dos seu ideais.Porventura estaria o senhor disposto a correr tais riscos?Certamente que não pois ao contario do que agora afirma bastas vezes afirmou que era isto e aquilo,algo que agora nega.
Não sei se é do seu conhecimento mas o movimento verdadeiramente fascista foi duramente reprimido por Salazar ,que nunca quis um estado verdadeiramente corporativo,agora o que voce afirmava das parcas vezes que aprecia pela sede da rua da prata é outra questão e varias pessoas o sabem.Mas a mentira e hipocrizia tem perna curta.

De Fascista nunca o poderia chamar porque seria insultuoso para com quem perfilha tal corrente ideologica.
Olhe que conheço 2 ou 3 defensores acerrimos da democracia e são tão racialistas quanto eu.

Miguel TAvares
 
Sr Miguel Tavares
Pelo menos agora já tem um nome.
O que o senhor faz são acusações e insinuações de ordem pessoal.
Aqui neste blogue ESTADO NOVO
EU repipto: ESTADO NOVO
discute-se as idéias e não as pessoas.
O que seo senhor pretende é lavar roupa.
Discuta idéias que serão publicadas a roupa suja é noutro sitio
 
identitarios, nacionais-socialista nacionais-revolucionários-
Mas esta porra agora está transformada no blogue do amigos do louçã ?
revolucionários da treta que quando lhe metem o dedo no (tal) gritam logo pela mãezinha dos direitos democráticos
 
Excelente
 
Face às acusações e contra-acusações que aqui se tem escrito, vou tentar ser o mais pedagógico possível, sem querer armar-me em mestre ou professor, uma vez que não tenho sapiência para isso.
Sejamos claros, há por aqui pessoas que defendem ( não vale a pena esconder isso), uma raça e uma étnia pura portuguesa, muito bem, mas como é que um ex-Império consegue ter uma raça e uma étnia "pura", não fizeram os portugueses "malandrices", por esse Mundo fora, não nos misturamos com os povos que "descobrimos", como é o aspecto ou o "retrato de um "português puro"?
Temos portugueses que, sendo morenos tem olhos azuis, temos outros que sendo "todos branquinhos" tem o cabelo encarapinhado, temos brancos com o nariz achatado, temos portugueses mais escuros e de cabelo loiro, temos gente para todos os gostos, como é que vamos fazer a destrinça, entre quem é ou não, o "típico" representante da raça portuguesa?
Esta "estória" das raças puras não tem lógica nenhuma, e funciona conforme as conveniências.
Hitler por exemplo, o "pai" destes nazis de trazer por casa, que defendia a supremacia da raça ariana (seja lá o que for), usou milhares de "mischling's" (alemães de origem judaica), nas forças armadas, onde teve até alguns altos oficiais, muitos desses militares, lutaram para ganhar o "certificado de sangue alemão", houve ainda alguns afro-alemães (como Elmer Spyglass, por exemplo), que serviram e viveram no 3º Reich, ora como é que, estes "nacionais-socialistas" portugueses, querem que a gente acredite nas "purezas das raças"?
O seu problema é que, se ficaram pelo "Mein Kampf", não leram mais nada, não sabem mais nada, vêem os filmes de Hollywood, normalmente feitos por judeus e já está , ali é que está o seu modelo a seguir.
Por outro lado, devido à actual situação no mundo, em que as pessoas tem relativa facilidade de viajarem e se instalarem em países que não são os seus, como é que se vai impedir isso?
Levamos com todos os portugueses que estão lá fora e "corremos" com todos os estrangeiros que cá estão?
É evidente que não sou a favor de miscigenações em massa, sei que algumas pessoas de outras raças e etnias, se querem misturar com naturais por causa de "estatuto", mas isso não é possível evitar, a não ser que ponhamos taipais em volta de Portugal, não deixemos entrar ninguém e coloquemos na rua aqueles, que não são da nossa "raça", ou então, dêem soluções credíveis, não se fiquem pela conversa!
Já um tema que me é caro, e devia ser para todos os verdadeiros nacionalistas, e que é importante para a defesa do Nacionalismo português,é a dupla ou a multipla-nacionalidade, que é um perigo grave para a identidade portuguesa, e até para a própria continuidade da Nação, mas aqui os NS de serviço, ficam caladinhos (se souberem o que isso é), e em vez de andarem a dar vivas ao Hitler, deveriam sim, era exigir o fim desse absurdo, que é a possibilidade de se ser cidadão de vários países ao mesmo tempo, é injusto para quem tem apenas uma nacionalidade e que se tem de sujeitar a isso, e é "anti-democrático" pois dá a alguns, vantagens que a maioria não tem, mas aqui os nossos "nazis" de fim-de-semana, ficam quedos, calados e mudos.
Ricos Nacionalistas, e ainda vem criticar os outros.
Leiam mais e cultivem essas cabecinhas, senão ainda acabam no Júlio de Matos.
 
Enquanto o verdadeiro Nacionalismo não se afastar da "miudagem",nunca terá futuro.Quem pensa que ele se esgota no PNR está redondamente enganado.
Manuel Abrantes,quer já a minha assinatura ? Um abraço.
 
Eu vejo mas não acredito no que vejo:Enão não é que há aqui "defensores"do PNR que vêem para a praça publica gritar que são racistas e o PNR também?!
Com amigos destes..!
Vão-se embora movimentos "Párem o PN seja lá o que fôr "e as suas manifs!Estão perdoados e dispensados!Para quê?!Se os próprios homens se acusam?!
Ah,santa inconsciência!

P.S.Oh Marques,metestes os "pés pelas mãos"com aquela do serviço da Nação não do povo...
 
Esqueci-me de assinar o post:
Sardoal
 
Abrantes , tu sabes bem que o Nacionalismo nao é só o pnr !!!
O nacionalismo está vivo e é mais do que meia dúzia de gaiatos que se "dizem" racistas,ns e outros demais.
 
Começa a derreter a esperança dos tachos de deputados na assembleia da republica.
racistas, nazis e restante rapaziada nunco sentarão o cu num parlamento democratico.
 
Engraçado ? Chamam-me todos os nomes, pelo que afirmei, já estou habituado que os antifas chamem –me de tudo, tanto os de extrema direita como os de extrema esquerda.
Então o Povo não deve estar ao serviço da Nação?
Durante séculos o Povo Português esteve ao serviço da Nação ! e no século XX durante o Estado Novo, o Povo servia a Nação e o Estado servia os dois.
Quando se revoltou contra os Filipes, e quando aclamou o Mestre, João I , o povo estava ao serviço da Nação.
Uma Nação é uma unidade de destino no universal e não se resume unicamente pelo seu povo, é mais do que isso, é também a memória e a identidade de um Povo.
Hoje o Povo é escravo no seu próprio País, do Estado e da Partidocraçia.
Verifiquei que existem pessoas que confundem o Estado com A Nação, são coisas diferentes. O que se pretende é que o Estado sirva o Povo, dando-le e prestando-lhe tudo aquilo que lhe nega, neste Estado que é tudo menos de Direito, JUSTIÇA; SAUDE; EDUCAÇÃO e alguma dignidade.


Marques
 
Amigo Marques.
Deixa de rotular as pessoas com isso dos "antifas" da esquerda e da direita. Isso é fraseologia de gente do "bate no preto".
O teu comentário não necessita de ataques deste género. Está escrito e é a tua opinião.
Eu, também não separo a Nação do Povo.
Não há Nação sem Povo - Marques.
Quanto aos "antifas".
Marques: sabes que não perfilho dessa ideologia mas não sou anti.
Deixa-te desse tipo de fraseologia. Tú sabes mais de politica do que atacar os outros com fraseologia dessa natureza.
Luta.
Marques não percas - nunca mas nunca !!! - a tua forma de ser.
Sempre foste e és o Marques.
O amigo, o companheiro e o camarada de todos os Nacionalistas mesmo que não concordem contigo.
MA
 
Que grande trapalhada!
«Eu estou ao serviço da Nação não do Povo».
«A minha luta é para que o Povo esteja ao serviço da Nação».
Mas a Nação não é o conjunto do território onde habita um Povo, da sua História, da sua Língua, da sua herança cultural?
Então, o fim último é o Povo, que é o elemento básico da Nação, sem Povo não há Nação, não faz grande sentido dizer, pôr o Povo ao serviço da Nação, pois vem dar ao: Povo ao serviço do Povo.
O Estado, enquanto organização política da Nação é que deve estar ao serviço da Nação e por conseguinte do Povo e este deve colaborar com o Estado para manter e defender a Nação.
Assim, quando um país é atacado militarmente por exemplo, os elementos desse Povo, dirigidos pelo Estado, deverão defender a Nação, ou seja, defender o elemento primordial da Nação que é afinal seu Povo, que é a sua razão de existir.
Por isso ser importante a Identidade de cada povo, pois faz a ligação com a sua Pátria, daí ser-se patriota quem defende a sua Pátria contra todos os tipos de ataques que a Nação sofra quer de dentro, quer de fora.
Por isso, a Identidade Nacional ser um bem supremo, que se deve defender a todo o custo, pois é a identidade o elo de união de um conjunto de pessoas que vive junto, com o mesmo passado histórico, seguindo os mesmos princípios, tendo a mesma cultura e a mesma Língua, daí eu defender a não permissão das duplas nacionalidades, pois um indivíduo que tenha duas nacionalidades, tem também duas identidades e acaba por não ter uma ligação em exclusivo a uma Pátria, sendo apenas um meio de conveniência individual, mas que não ajuda nada a Nação.
Curiosamente, já abordei este tema aqui, pelo menos por duas vezes, mas não encontro resposta, o que me faz pensar que, o meu Nacionalismo se calhar é diferente dos outros, que parecem não ligar a esse problema de "somenos" importância.
Ou será que, eu sou exigente demais?
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]