quinta-feira, outubro 25, 2007


MAIS DE OITO MILHÕES DE EUROS PARA PAGAR REFORMAS AOS POLÍTICOS.
E SÓ NECESSITAM DE TRABALHAR 12 ANITOS
.

O Orçamento do Estado para 2008 prevê que as subvenções vitalícias dos titulares de cargos políticos irá ultrapassar os oito milhões de euros.

Com um número de beneficiários estimado na ordem de 383 pessoas, a verba orçamentada para pagar pensões para toda a vida no próximo ano – como prevê a proposta do Orçamento do Estado - representa um aumento de 5,4 por cento em relação aos 7,6 milhões orçamentados para 2007.

Este aumento, de uma subvenção vitalícia para os que ocuparem cargos de nomeação politica, é uma regalia consagrada na Lei n.º 4/85 até Outubro de 2005, quando este diploma foi revogado pela Lei n.º 52-A/2005. È uma consequência da actualização do valor das pensões e, provavelmente, do acréscimo do número de beneficiários.

Até ao final desta legislatura o universo de potenciais beneficiários da subvenção vitalícia deverá continuar a aumentar, dado que muitos deputados atingem, até 2009, os 12 anos de exercício exigidos pela lei para a obtenção daquela pensão. Em 2005, trinta e dois deputados, entre sete a onze anos de exercício de funções, reuniam condições para poder solicitar a atribuição da subvenção vitalícia.

Ainda há bem pouco tempo tivemos conhecimento que um quinto dos portugueses vive no limiar da pobreza e constatamos, quase diariamente, casos de professores com doenças cancerígenas obrigados a trabalharem por verem as suas pretensões de reforma por invalidez irem pelo cano abaixo.
Qualquer cidadão só obtém a reforma aos 65 anos e, para a atingir antes dessa idade, tem de possuir, pelo menos, quarenta anos de descontos.
Eu escrevi qualquer cidadão. Porque a classe politica apenas necessita de ocupar um cargo político durante 12 anos para ter uma reforma vitalícia.
Um jovem com 18 anos, que consiga ser eleito deputado – por exemplo – e que por lá se mantenha durante três legislaturas, aos 30 anitos pode ir para casa sossegado porque já tem para o resto da vida.
O melhor é acabar os comentários por aqui senão ainda escrevo uma grande asneira, imprópria para gente educada.
Mas que isto revolta e faz perder a paciência, lá isso faz! E que apetece escrever um “palavrão”, bem….
È melhor terminar por aqui, senão não resisto
Manuel Abrantes

Comentários:
é a república dos chulos
 
Ainda há quem acredite neles.
Uma vergonha
 
Vergonha deviamos ter nós todos por ainda lhes dar crédito.
Gente desta não merece credito nenhum
 
Continuem a votor neles.
Fazem todod muito bem!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
 
Não é uma questão de voto.
È certo que a classe política actual está desacreditada.
Isso é uma verdade!
Mas, e as alternativas?
Ou melhor: as alternãncia
São necessários novos politicos com novas idéias.
È aqui que reside a questão.
 
Como eles cantavam tão bem aquela cantiga:
"eles comem tudo. Eles comem tudo. E não deixam nada.

Vá zé povo. Agora é a tua vez de cantar.
Canta porra!!!
 
É por isso que eu ando a estudar para ser político.
Também quero o meu tachinho.
E reformar-me cedo, para depois comprar uma fazenda no nordeste brasileiro,e fazer daí o meu retiro do turismo sexual.
Isto é que é vida boa.
 
Não lhes perdoes M. Abrantes
Ms tb és culpado nisso. Não tinahs nada de participar na abrilada.
 
Olha que não, Olha que não!
Meu caro Amigo
Manuel Abrantes,
Das duas uma, ou somos um país de broncos, ou somos um país de masoquistas, do tipo "quanto mais me bates, mais gosto de ti".
Toda a gente tem a noção de que, esta fauna política, que se governa a eles e nos desgoverna a nós, não presta e não passam de uma cambada de chulos e oportunistas, mas eu pergunto: e as alternativas, pôem-se lá quem, o Partido dos Reformados, o Partido dos Doentes, o Partido da Terra, o MRPP, o PPM, ou até quiçá, o PNR, são estas as alternativas que lá queremos colocar?
É sabido que, todos os partidos com assento na A.R., são "todos farinha do mesmo saco", que aquilo não passa dum Teatro das Comédias, que são um grande grupo de actores, que às vezes fazem aquelas grandes "fitas" de parecerem, que se comem uns aos outros, mas que, no fim vão todos almoçar juntos.
Todos sabem ou pelo menos tem a percepção de que, quem manda neste "rectângulo", não se assenta quer na A. R., quer no Governo, esses não passam de paus-mandados ao serviço do grande capital, daí aliás, haver um grande capitalista cá do burgo, que goza com alguma frequência com os políticos, ele sabe muito bem como as coisas se passam nos bastidaores.
O problema é que, não há infelizmente alternativa, pois os tais pequenos partidos, não tem qualquer capacidade humana para governar o país, por mais justos que sejam os seus intentos.
Onde estão os quadros de médicos, de juristas, de engenheiros, de economistas, de técnicos nesses partidos, que são necessários para esboçar uma política de governo, nesses pequenos partidos?
Mais próximo de nós, falemos do PNR, iamos lá pôr quem, o JPC como 1º Ministro, o nosso amigo HNO como ministro da Educação (talvez desse um bom Ministro, quem
sabe), o Mário Machado como Ministro da Administração Interna e por aí fora.
Deveria ser divertidíssimo, certamente a "carecada" passaria a ser o "corte da moda", mobilizavam-se todos os aviõe, comboios e barcos e punham-se todos os imigrantes a andar daqui para fora e depois quanto ao resto, como era, era cada um a governar-se como queria?
Ora como resolver este problema, se estes pequenos partidos não tem um minímo de "massa cinzenta" suficientemente credível para que se vote neles, como quer o PNR, já que estamos a falar da nossa área, querer ter alguma ambição de poder, quando aquilo que passa cá para fora, é "correr" com os imigrantes e pouco mais, onde está um verdadeiro projecto de política de saúde, um verdadeiro projecto económico pra o país, um verdadeiro projecto de Justiça, um verdadeiro projecto social para os portugueses, um projecto de política de energia e transportes, isto só falando nalguns dos mais importantes, onde estão eles, inventam-se???
Não meus amigos, sejamos honestos, se o Nacionalismo quer ter alguns laivos de projecto de poder, tem de deixar de viver nos século XIX,
O Nacionalismo do século XIX, foi um nacionalismo que deu origem ao aparecimento de várias nações na Europa, e esse mesmo nacionalismo, foi derrotado no século XX, querer viver no passado, não passa duma utopia enganadora, que só nos trará frustrações, em nada contribuindo para que, o Nacionalismo saia do seu casulo , e mais, cada vez mais, verá as populações afastarem-se desses ideais, não havendo uma linguagem clara e actualizada para o século XXI, qualquer projecto nacionalista estará votado ao fracasso.
Estarei enganado?
Antes estivesse.
Um abraço e cumprimentos para todos.

LUSITANO
 
Os meus parabens ao Lusitano.
Tocou na ferida...
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]