segunda-feira, outubro 22, 2007


OS “GATOS PINGADOS” E OS ENVERGONHADOS COM O RABO DE FORA

A polémica levantada em torno da adesão de Nacionalistas ao Partido da Nova Democracia continua a levantar polémica na comunicação social e, muito especialmente, no seio do PND.
Na última edição de o “Sol” o líder demissionário, Manuel Monteiro, intitulou de “meia dúzia de gatos pingados” os Nacionalistas que estão, ou que querem, militar no partido.
E digo: Nacionalistas, porque não escondem isso a assumem-se como tal. Isto, tal como assumem a defesa dos princípios da “Nova Democracia”.
A IIª Convenção Nacional da Nova Democracia aprovou com cerca de 84% de votos favoráveis o documento apresentado pelo próprio Manuel Monteiro.
Um documento bastantes extenso do qual passo alguma partes:

(…)Os valores da Nova Democracia assentam em três bases: O HOMEM; A NAÇÃO; O ESTADO. Estas bases desenvolvem-se em torno de dois eixos: A LIBERDADE; A JUSTIÇA (..).

(…)Homem será por nós apresentado como centro de interesses naturais; a Nação será defendida enquanto realidade conveniente ao homem e aos seus interesses; e a ideia de Estado será suportada como sendo fundamental à defesa da Nação, logo essencial à defesa dos interesses do homem, seja quando ele os partilha, seja quando os confronta com outros homens.É assim dessa “trilogia”, que seguimos para o exercício seguinte: O Estado é necessário à Nação e na medida em que esta é essencial à defesa do homem, o Estado torna-se, enquanto organização política e nunca mais do que isso, útil ao próprio homem. Apresentado o Homem tal como é, defendida a Nação e justificada a ideia do Estado necessário e útil, surgirão os valores da Liberdade e da Justiça, sem os quais o Homem não se realiza, a Nação não se mantém e o Estado não se disciplina(…).

(…)Defender a Nação e apresentá-la como valor político é, como anteriormente referimos, defender o Homem na sua mais natural realidade. O Homem, valor primeiro do nosso pensamento, realiza-se e completa-se na Nação, porque ao lutar pela concretização dos seus interesses, os manifesta perante uma comunidade que o entende, que o acolhe e que, respeitando as suas individuais diferenças, o vê e trata igualmente sob o ponto de vista jurídico e político(…)

(…)A ideia de Nação como comunidade de homens ligados, de forma natural, por laços que conjuntamente os identificam e caracterizam, é partilhada pelos subscritores do presente documento. Afasta – se assim qualquer perspectiva transcendental, que muitos pretenderam atribuir ao significado de Nação. A Nação somos nós! E o “nós” é palpável, existe, vive, mas da mesma forma que existe e vive também pode desaparecer e morrer. Se não subsistem florestas sem árvores, também não teremos Nações sem Homens que desejem a sua presença e continuação. Este aspecto é demasiado importante para ser esquecido(…)

(…)O reforço da identidade de cada Nação permite atenuar choques culturais, religiosos, hábitos de vida, formas de interpretar a vida. Mais Nação significa mais harmonia, mais tolerância, mais paz. Ao contrário do que muitos pensam e afirmam, os problemas da intolerância, do racismo e da xenofobia, advêm em inúmeras circunstâncias do facto de muitos nacionais se sentirem estrangeiros no seu próprio país(…)

(…)As Nações naturais, mesmo quando caladas pelo poder político dominante, permanecem na alma colectiva, passam de geração em geração, testemunhando a força das regras não escritas e das convicções não ditadas. A sua energia é tal que a resistência ao dominador é absoluta, prova irrefutável de uma solidez sem paralelo. A Nação é ponto de partida e ponto de chegada; é desafio, mas também é abrigo e conforto. A Nação é propriedade de todos os nacionais e cada um deles é seu usufrutuário vitalício. Assim, repetimos, quando defendemos os nossos interesses, enriquecemos a Nação e quando defendemos os interesses da Nação, enriquecemos cada um dos seus membros(…)

(…)A abertura total de fronteiras, a vinda de produtos a preços mais baixos e a deslocalização de empresas, serão factores determinantes no encerramento de fábricas em áreas tradicionais e no consequente aumento de desemprego(…).

(…)Há núcleos consideráveis da população, de vários países europeus, para quem o valor segurança é já mais importante que a democracia, abrindo caminho com tal atitude ao surgimento de soluções, que muitos julgavam definitivamente afastadas do convívio europeu(…).

E POR FIM: - UMA GRANDE VERDADE

Como disse e se afirma no PND:
(…)Tivemos já oportunidade de constatar que o debate político está prisioneiro de um conformismo conveniente ao sistema dominante, em que a simples discordância quer quanto aos métodos, quer quanto aos fins, que alguns pretendem alcançar é de imediato rotulada de radical. Defender um modelo alternativo de evolução da sociedade nacional, da comunidade europeia ou da própria comunidade internacional, pode ser o suficiente para se figurar na lista dos chamados anti – democratas ou anti – europeus(…)


Perante isto só posso compreender que existem dois tipos de gatos pingados: Os que se assumem como Nacionalista e os que têm medo e vergonha. Ou melhor: - Gostavam de o ser mas têm medo do sistema e de perderem possíveis privilégios no repasto da bagunça politica actual.
Então há “gatos pingados” assumidos e outros escondidos, mas com o rabo de fora.
Manuel Abrantes

Comentários:
Andas-te a pesquisar....Muito bem visto caro Amigo.
Afinal o Drº Manuel Monteiro deixou o "rabo" de fora e tu.... zás, apanhas-te o "gajo".
Abraço

RPS
 
Manuel Abrantes
Considera Manuel Monteiro como um nacionalista ?
 
Claro que não!!!
Só que - parece-me - que ele tem um discurso para dentro do partido e outro para fora.
Mas, como ele há, infelizmente, muitos...
No PND e noutros partidos.
Estão agarrados ao sistema e não querem perder os previlégios que daí possam, ou venham, a usufruir.
Sem a coragem de se assumirem como Nacionalistas não podem ser Nacionalista.
E, até parece que estamos a falar num "crime" gravíssimo.
Como se, defender a Nação, fosse um crime.
 
Marcorijo;
Muito bem Abrantes !!!!
Olha lá mas isto é só meia dúzia "gatos pingados", o que seria se fosse uma dúzia ???


abraços
marcorijo
 
O Monteiro é uma caixinha de surpresas.
Temos pensador nacionalista escondido e enverginhado.
Pudera!!!
Lá iam os tachos tais como o de comentador na SIC.
 
As coisas vão, as coisas vão! Muito bem!

Não há mal que sempre dure. O medo não é eterno. E o Monteiro já a gente o conhece, que é bom cata-vento! Só quer isto dizer que o vento está de feição!

Cumprimentos.
 
Afinal há mais nacionalistas do que eu pensava..
Ou talvez não.
 
Abrantes
Permita-me um jogo:
Se o Manuel Monteiro viesse dizer que tb defendia o Nacionalismo. O que diria ?
 
Olhe sr anónimo.
1ª) sorria
2º) Chamava-lhe: - Mentiroso!!!
3ª) Pensava cá com os meus botões: - Mas que grande oportunista
 
O melhor é acabarem com o PND e,todos juntos,ajudarmos no arranque definitivo do Movimento Nacionalista.
 
Viva os Nacionalistas
Viva os Patriotas
Mas acima de tudo,

VIVA PORTUGAL
 
Não sr Nacional Integralista
o PND é necessário e fundamental para uma NOva Democracia.
 
se vcs contestam o manuel monteiro porque querem ir para o PND?
 
Não contestamos M.Monteiro, contestamos sim é atitudes que são tomadas, atitudes de alguma arrogância e sobranceria.

E acima de tudo acreditamos no projecto da Nova Democracia como alternativa ao sistema vigente.
Só para dar uma pequena informação, por exemplo a alteração da constituição proposto pelo PND(M.Monteiro e comp.), é sem dúvida algo de diferente e ousado, que nos traz "ar fresco" ao marasmo político que estamos mergulhados, assim como outras propostas que têm valor político-social posítivo.
Em relação ao PND, acredito que é a única via para uma verdadeira direita popular e patriota,e que nos traga orgulho do que é nosso e nos mantenha na Europa de cabeça erguida.
Para isso é só consultar um pouco o programa político do PND e fica logo a saber o que se pretende, por isso queremos lutar ao lado de quem se assemelha com os nossos valores assim como os respeita.

Já agora, QUE FIQUE BEM CLARO, que nunca viramos as costas á nossa luta, assim como ás nossas ideias, por isso sei que estamos no lado certo e com as pessoas certas,de quem quiser estar connosco.

cumprimentos
marcorijo
 
Caro Marco Rijo,
Falemos claro, o Presidente M.Monteiro, tem todo o direito de amar a sua Pátria e de não ser racialista. E a isto se chama ser Patriota.
Ser nacionalista, é uma outra coisa que vcs sabem melhor do que ninguém.

Cumprimentos
 
Caro anónimo, pois fica sabendo que eu também não sou racialista, nem coisa que se pareça, portanto nem sequer isso é retractado.
E ser patrióta é bom, e nada que vâ de contra os príncipios da Nova Democracia.
Portanto nada impede que Patriotas e Nacionalistas, possam trabalhar em comum emprol de uma causa justa :
Portugal.

cumprimentos
marcorijo
 
A questão de raças ou credos religiosos não são questões prioritárias para os Nacionalistas que defendem a Democracia participativa.
Não quero dizer que sejam assuntos tabus. Para os Nacionalistas não existem assuntos tabus.
Quando diz que “(…)Ser nacionalista, é uma outra coisa que vcs sabem melhor do que ninguém(..)”.
Claro que sabemos. Identificamo-nos, totalmente, com o que foi afirmado pelo dr. Manuel Monteiro na II Convenção do PND.
Só com uma diferença: - E que defendemos tudo o que foi dito para o exterior e não para ser dito internamente.
Assumimos o que foi dito e não o escondemos. E não estávamos lá para aplaudir.
Sr(a) anónimo
Não coloque rótulos sem conhecer, na realidade, o que os Nacionalistas pensam e defendem.
Nos anos da revolução (PREC) também tudo o que não era de esquerda era logo conotado com fascistas.
Estamos a voltar ao mesmo ?
 
Força pessoal, vocês são o nosso orgulho, força marcorijo, força manuel abrantes, avançem camaradas!
 
Agora a moda das caçadoras de bruxas do PND é perguntar aos amigos que têm ou tiveram no PNR quais são os nomes dos ex-PNR que foram para o PND, que é para poderem expulsá-los. Será que vão começar pelo princípio e o primeiro a ser expulso é já o Manuel Brás, antigo dirigente do PNR e destacado militante da Nova democracia? Ou será que nas expulsões haverá filhos e enteados? Uma pessoa não é livre de entrar em colisão com o ideário ou modus operandi de um partido e ingressar noutro? Patéticos...
 
É a demomacracia meus caros. A nova e a velha.
Habituem-se pah pk a democracia é isso mesmo.

Pah, já agora gostava de saber quantos já se arrependeram de ter saido do PNR. Eu acho que alguns já devem estar a lamentar o erro, já que agora nem PNR nem PND.
 
Vamos lá cambada.
Nacionalista ou patriota, o que intereça é trabalhar por um Portugal melhor.
Párem de chamar racistas aos nacionalistas, já que vós soides tão intelegentes ide, ide meus filhos ao dicionario ver o que é nacionalismo, e só depois falem, ou não.
Agora discutir os sexo dos anjos?
não sou nem eide ser militante em partido nenhum enquanto houver pessoas que nem sabem dizer o que é direita nem esquerda, quanto mais virem para aqui chamar racistas ao pessoas.
com todo o devido respeito: cresce e aparece.
 
Para não dizerem que sou maú, eu foi ao dicionario e procurei nacionalista e sabem o que encontrei?o significado....LOL...
Ora então cá vai:
nacionalista

adj. 2 gén.,
relativo à independência e aos interesses da nação;

patriótico;

relativo ao nacionalismo;

s. 2 gén.,
pessoa partidária do nacionalismo.
 
O Abrantes é o nosso orgulho, um homem vertical e cheio de ética, honrado e de carácter. É a nossa esperança para mudar Portugal. Força camaradas, é a hora!
Vitor Carvalho - Palmela
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]