sábado, julho 05, 2008


MANUEL MONTEIRO
UM POLITICO DO SISTEMA PEDINDO LICENÇA PARA SE SENTAR À MESA


O líder do Partido da Nova Democracia , Manuel Monteiro, admitiu ao semanário “Sol” que, “se não for possível criar uma aliança de direita em Portugal, o PND reflectirá sobre quais os círculos eleitorais em que vai a votos em 2009»

Também em afirmações à Lusa, Manuel Monteiro disse que vai propor à direcção do seu partido “que se tente criar uma força política ampla de direita que junte descontentes do CDS, do PSD e independentes», apontando a título de «mero exemplo», os nomes de Ribeiro e Castro e Ferraz da Costa como tendo perfil para integrar o novo partido

Para Monteiro, «mais do que nunca é a hora de um partido de vocação nacional, ousado, motivado, sério, portador duma mensagem e de uma agenda totalmente diferentes».

Bem…
“(…)De vocação nacional, ousado, motivado, sério, portador duma mensagem e de uma agenda totalmente diferentes”. Então o seu actual partido - O PND – não é nada disto ?

Não retiro razões ao Dr. Manuel Monteiro. Mas, a questão que coloco é : qual Direita ?
Isso existe ?
Mas, no contexto político actual, o que é ser de Direita ou de Esquerda ?
Para a população os políticos são todos iguais. Já não existem nem esquerdas nem direitas. Os governos de “esquerda” são iguais aos governos de “direita”. O “Zé povo” tem sentido na pele as politicas dos governos socialistas e sociais-democratas, sozinhos ou acompanhados pelo CDS/PP. Já sentiu na pele, até, um governo do bloco central e uma aliança PS/CDS.
As esquerdas/direitas faliram! Já ninguém acredita nesses “chavões” políticos.
O Dr. Monteiro ainda não percebeu isso. Ou melhor: - Lá perceber já deve ter percebido o que não quer é morrer politicamente.
Manuel Abrantes

Comentários:
Sr. Abrantes ,você está a ser injusto para com o PND, pois este pequeno partido têm um largo futuro pela frente,apesar de o termos recusado como militante, nada temos contra si pessoalmente.
E se você reflectir bem , repara que o partido absorve muita gente da A.N.,e é muito mais equilibrado que o seu antigo partido(pnr) que está nas trevas da politica.
Se dúvida vá ao seguinte blog :
www.antinazipnr.blogspot.com
E veja o gozo que a maioria da sociedade faz a alguns elementos desse partido.
 
O Dr. Manuel Monteiro há muito que é um falhado político. Fez o que fez no CDS e afastou-se para fundar o PND. Conseguindo, apesar de tudo, reunir à sua volta algumas pessoas de elevada qualidade que, pelo empenho, pelo trabalho, pela dedicação, pela postura e pelo currículo levaram a cabo a obra – gigantesca, não tenho dúvida - da criação de um partido com expressão nacional, não resistiu a autoflagelar-se, e destruiu o que tanto terá custado a construir.

Apenas preocupado com a sua própria promoção – o Partido era o suporte institucional necessário para agir politicamente – conseguiu, graças à sua ziguezagueante condução e pouco rigor ideológico, acabar por instalar a descrença e fazer morrer todo o entusiasmo. Nas eleições presidenciais propôs ao Conselho Geral o apoio ao Dr. Cavaco Silva, e, no momento do referendo sobre o aborto, não foi capaz de, claramente, assumir o “Não”.

Mas o momento da morte foi o resultado da sua triste e desastrada campanha autárquica intercalar em Lisboa. Nas suas próprias palavras: “Tive menos votos do que quando me candidatava à associação de estudantes”.

À viva força queria ser deputado, se possível europeu, vá lá, simples vereador da Câmara chegava. O meu reino, ao menos, por uma vereação! Não o conseguiu e até o PNR obteve mais votos do que ele. Se o ridículo matasse, teria morrido, com certeza.

A reflexão a que, seguidamente, se dedicou não produziu efeitos. Seguiu-se, então, o episódio dos nacionalistas de que procurou retirar dividendos com a expulsão de alguns militantes, provavelmente os mais capazes de reactivar a vida do PND. Não contente com isto, pretendeu a demissão, para gáudio da sua “entourage”, da Coordenadora do Círculo de Aveiro, – que se antecipou, demitindo-se – a Dra. Susana Barbosa. Destruiu, deste modo, aquele Círculo, cujas instalações estão, hoje, encerradas., tal como também, se encontram encerradas, as de Santa Maria da Feira (Lobão). Como já havia encerrado a Sede do Porto, com o pretensiosismo bacoco de que, em Lisboa, é que havia de ser. Resta esta, mas, pergunto, por quanto tempo mais?

Não passa, hoje em dia, de presidente de um partido em decomposição, cujos hipotéticos 5000 militantes deverão, todos eles, caber à roda de uma mesa de café!

O Dr. Monteiro não aprende com os erros. As sucessivas reflexões não resultam. A sua imensa vaidade, o seu ego exagerado, fá-lo ainda sonhar com um lugar ao sol da política portuguesa, quando, na verdade, ninguém lhe liga. De facto, que crédito merece quem ontem disse que se demitia, hoje já se não demite e amanhã antes pelo contrário? Que ontem vai acabar com o Partido, hoje já não mas quer fundar um outro, pedinchando colaborações. E se não conseguir este partido novo, vai pensar a que eleições, em 2009, há-de concorrer o PND que queria extinguir, mas que já não quer outra vez.

Não vale a pena! O Dr. Monteiro está, politicamente, morto e enterrado. Escusa de se por em bicos de pés, que ninguém o vê. Só não consigo perceber é como alguns, de valor – Manuel Braz, por exemplo, cujos escritos e coerência ideológica admiro - persistem em manter-se ao lado deste cadáver político.

SUEVO
 
NÃO SE LAMENTEM

A Europa e o Mundo estão em crise. Portugal não é alheio ao momento e a situação interna é ainda pior do que a dos países membros da União Europeia. Políticas erradas ao longo das últimas duas décadas contribuíram para que nos encontrássemos numa situação, sem precedentes.

Admito que seja politicamente incorrecto o que vou escrever, mas a verdade dos factos não pode ser ignorada e muito menos esquecida. E não o pode ser por mim que, quase sozinho, entre 1992 e 1998, alertei e protestei contra o rumo seguido e o caminho escolhido. O Prof. Cavaco Silva tem óbvias responsabilidades na tónica que colocou nos seus governos ao apostar nas auto – estradas, no betão, nos Centros Culturais de Belém, nas infra – estruturas megalómanas, que foram sendo feitas um pouco por todo o lado à custa dos fundos comunitários. Tivemos, e ainda temos, associações empresariais, que construíram sedes, auditórios, pavilhões infindáveis, quando a sua base – as empresa – definhavam, faliam e não progrediam. Mais tarde a miragem cavaquista continuou e os estádios de futebol, a construção de mais e mais auto – estradas foram a marca dos governos sucessivos.

Ignorámos a educação, a agricultura, as pescas, a indústria e hoje somos quase nada dependentes da natureza que Deus deu e que vai permitindo sonhar com receitas de um Turismo cada vez mais volátil.

A crise é geral, mas no nosso caso muitos dos seus efeitos poderiam ter sido evitados. Sinto uma profunda revolta porque escrevi, discursei, falei, contestei e poucos – ou quase nenhuns – me quiseram ouvir. Fui insultado, rotulado de velho do Restelo, de anti – europeu, de saudosista do antigo regime, de querer um mundo acabado. E as consequências aí estão. E os eleitores que mantiveram estes políticos deveriam agora, sozinhos, pagar a crise. Porque uma democracia só tem maus políticos, e maus dirigentes, quando o país onde ela vigora tem ainda piores cidadãos.

Por isso Senhoras e Senhores que votaram sempre nos mesmos, não se lamentem. Têm o que semearam ou que permitiram ser semeado.

Manuel Monteiro
 
1º) para o "simpatizante do pnd"
- Eu apresentei candidatura ao PND e, por enquanto, ainda não recebi nenhuma resposta de "recusa".
O que muito me admira. Diga-se...

2º) Não sei se o comentador de cima, e que assina por: Manuel Monteiro, é o próprio ou não.
Nem estou muito interessado em saber.

Agora o que escreve é uma grande verdade. Lá isso é!
E que Manuel Monteiro foi o ùnico político no tempo das "vacas gordas" a alertar para os factos mencionados. Lá isso foi!

E o que escreve espelha bem a situação nas "causas-efeito". È verdade!!!

Leiam o comentário e meditem.
Manuel Abrantes
 
Só o PSD é capaz de dar um rumo certo a este país desorganizado.
O resto é palha !
 
Sr. Abrantes , independentemente da sua ala nacionalista democrata.
Acho que têm opiniões de valor com cariz interventivo a nivel social.
O Patriotismo Português anda muito em baixo,o que é preciso é auto-estima.
No entanto devo-lhe dizer que o PND, têm-se debatido com muitos problemas mas continua vivo.
 
Graça Neves
Claro que o PND está vivo. Basta ver pelos comentários aqui expostos.
Agora que necessita de um novo dinamismo, isso necessita.
Que o PND faz falta à Democracia e a Portugal, claro que faz.
Manuel Abrantes
 
Do PND

Este partido na minha modesta opinião é assim uma espécie de simpático clube de amigos,neste caso do Presidente.
E ponto final.
Do Nacionalismo:Só por anedota um nacionalista se revê neste coisa.
Do Dr.Manuel Monteiro:Salvo o devido respeito,parece-me um náufrago politico esbracejando em todas as direcções.
Aliás o PND é a sua ilha deserta.É assim um género de Robison Crusué da politica,vendo passar os outros no horizonte.
Esta é a minha análise sumária,sem acinte nem menosprezo,mas livre e democrática.
Se objectiva outros o dirão...
Sardoal
 
Pior que o pnd, s� mesmo o pnr que est� cheio de nazi-skins e delinqu�ntes.
 
Como é possível o PND deixar fechar sedes estratégicas e ainda dizer que está em crescendo !
O que realmente me espanta é a demagogia desse partido.
Como já foi aqui dito pior que o PND ,só mesmo esse partido marginal que é o PNR.
 
O PND está morto. Desde que os bravos nacionalistas o tentaram salvar, nunca mais foi noticia nos média. E esta agora do Dr. Monteiro querer (mais uma vez) extinguir o partido e juntar-se com ex- cds e ex-psd, vê-se logo que ele quer é o tacho de volta. Caiu-lhe a máscara.
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]