domingo, outubro 26, 2008


ELEIÇÕES
QUE CAMINHOS PARA O NACIONALISMO ?

Os fortes índices de abstencionismo nas últimas eleições nos Açores deram-nos o mote para ilações às próximas Legislativas.
O cidadão eleitor está saturado deste sistema político e, muito especialmente, da actual classe política.
Contudo, não confunda-mos o actual sistema político com a própria Democracia. O povo português já deu mostras evidentes que só aceita viver num regime de liberdade e de direitos cívicos.
Por isso, não confunda-mos as coisas e é um erro crasso tentar impingir sistemas totalitários que fizeram parte do passado e só ao passado dizem respeito. Todos os sistemas políticos devem ser analisados no espaço e no tempo em que vigoraram.

Mas voltemos ao abstencionismo eleitoral e, por consequência, ao abstencionismo político.
O cidadão já não se revê nesta classe politica e não encontra alternativas credíveis. Por esse facto, e até aqui, foi resolvendo o assunto com o chamado “voto útil”.
Hoje, e perante o estado actual das coisas, nem no voto útil já acredita. Por isso, a sua tendência é o abstencionismo e um virar de costas a tudo que diga respeito à política.

Por mais que o actual sistema diga e afirme a sua luta contra a abstenção, tudo isto não passam de palavras vãs. O abstencionismo é útil aos maiores partidos como forma de os perpetuar no poder. Quanto menos indecisos houver nas urnas de voto mais força têm as suas clientelas partidárias e, por conseguinte, a sua margem de manobra.
O abstencionismo só serve aos grandes partidos deste sistema. Isto, por mais que apregoem o contrário.

E NÓS NACIONALISTAS ?

È aqui que reside o cerne da questão.
Podíamos ser a grande alternativa de futuro. Mas não o somos. Ou melhor: ainda não o conseguimos ser.
Quer gostemos, ou não, em termos eleitorais é o Partido Nacional Renovador o único baluarte dos intitulados Nacionalista.
Contudo, é um partido “queimado”, que nunca soube responder aos seus detractores.
Deixou-se enrolar numa teia de radicalismos com gente, por si conotada, sentada nos bancos dos réus e acusada de diversos crimes.
Não estou aqui a julgar se têm culpa ou não. Até porque acredito em parte - repito: em parte – na sua inocência.
O PNR afastou-se – Bem! Diga-mos a verdade: nunca lá esteve – dos princípios que deveriam ser o mote para a implantação do Nacionalismo.

Um dos primeiros princípios Nacionalistas é o assumir a moral cristã como pilar de base da sua filosofia política.
O PNR nunca deu essa imagem. Bem antes pelo contrário. A sua conotação com tendências de radicalismos políticos afastou-o, logo à partida, desse pilar.
Podemos dizer : - Foi, e é, manobra da comunicação social.
Pode ter sido. Mas não só… O PNR deu todas as ferramentas para que, essa mesma comunicação social, as utilizasse para o catalogar como partido de marginais.
Isto pode doer a muito boa gente. Mas é uma verdade imensurável.
Claro que estou a referir-me a gente conotada e assumida com o movimento “skin”. Claro que estou !
Nada me move contra esse movimento ou quem se assuma como tal. Agora que ajudaram a transformar o PNR à sua imagem, isso, é uma verdade!
Mas, pronto! Foi, e é, uma opção do próprio partido. Uma opção que eu, como Nacionalista, não aceito mas que respeito e como não sou militante nada tenho a ver, directamente – repito: directamente -, com isso.
Agora que esta opção traz custo políticos, lá isso traz e de que maneira…
Contudo, como Nacionalista custa-me ver, e aceitar, tudo isto.

Outro das grande pilares de base do Nacionalismo é a questão Pátria.
Aqui, digamos, o PNR tem mantido coerência politica.
A defesa aberta dos valores Pátrios tem sido um dos seus motes e mantém-se na ribalta desses valores.
È o único partido português que faz deste tema a sua bandeira.
Contudo, os valores Pátrios têm a ver apenas com o nosso País e a sua história e não com conceitos e filosofias estrangeiras.
Aqui o Nacionalismo tem de ser mesmo radical.
Portugal, Portugal e Portugal!


Por fim a questão família.
Não há dúvida que o PNR tem tentado apresentar esses valores.
Contudo, não é apenas com combates aos lobbies gays ou contra o aborto que o conceito família se transforma em bandeira política.
O conceito família começa pelo conceito e imagem dos seus próprios militantes. E lá voltamos ao mesmo.
Que imagem estão a transmitir?
E não necessito de acrescentar mais nada …


Por fim, acrescento:
O PNR (único partido, até ao momento, assumidamente Nacionalista) vai crescer nas próximas eleições !
Claro que vai. Não tenho dúvidas nenhumas disso. Mas será com o voto consciente ou meros votos só para chatear o sistema ?
Esse tipo de votos é volátil. Não servem a ninguém e, muito menos, à causa Nacionalista.
Pensem nisto, senhores responsáveis pelo único partido assumidamente Nacionalista.
A Historia vos condenará, ou enaltecerá, pelas vossas atitudes.
Sejam Historia pela positiva .
Portugal e os portugueses precisam de um grande partido Nacionalista.
Manuel Abrantes

Comentários:
Caro Sr. Abrantes:
Quanto eu gostaria de assistir a um PNR apostado em criar uma maior implantacao e aceitacao por parte do Povo portugues que esta fartissimo do sistema que tem e anseia por valores verdadeiros e solidos.
Mas enquanto o PNE prosseguir na sua marcha Neo-Nazi nao ira a lado algu nem passar de um partido cujo futuro e continuar nas franjas da sociedade.
Nem acredito sequer que consigam mais votos mesmo daqueles que estao saturados com a actual situacao.
Mesmo aqueles que reconhecem no PNR um certo cunho nacionalista dele se afastarao.
Ninguem quer ser visto como admirador e suportante de um partido que coloca num pedestal o pior que ate hoje foi criado pela raca humana como ideologia...o fanatismo do Nacional Socialismo, o Nazismo.
E o PNR por razoes que desconheco parece estar -- e dali nao se consegue ou quer safar -- nas maos dos Nazista lusitanos.
Chamem-lhes 'skin-heads', massa-bruta, o que quiserem. Nao passam de uma escumalha que existe para continuar a levar porrada da parte das forcas da ordem e nada mais.
Vivem de fantasmas do passado e acreditam estupidamente na sua ressureicao.
Mais vale irem a Fatima rezar por milagres !
Renato Nunes
Carolina do Sul, EUA
 
Caro Sr. Abrantes:

Permita-me um despretensioso comentário a este seu artigo. Sobretudo breve e conciso, porque o tempo me não sobeja.

Tem toda a razão quando realça a actual tendência abstencionista do eleitorado português. De facto, o eleitor está saturado de “sempre mais, do mesmo”. Alguns, ainda, vão votando, ou porque entendem ser esse o seu dever – ainda há, é verdade, alguns utópicos heróicos – ou porque se mantêm fiéis ao seu “partido/clube”, como o são alguns adeptos fanáticos do futebol. Contudo, cada vez menos.

O campo nacionalista demorará a ser alternativa. Não tem faltado quem tudo faça para o desacreditar, a começar pelos próprios nacionalistas. Aliás, como já referi noutra oportunidade, encontra-se profundamente dividido, cada qual puxando para o seu lado, sem hipóteses de conciliação ou de cooperação.

O ressurgimento nacionalista – e com ele o de todo um conjunto de Valores sem quais a ideia fenecerá - passará, em meu entender, pela reconquista do que sempre se convencionou chamar a Classe Média: o funcionário citadino, o pequeno empreendedor da pesca e da agricultura, o industrial e o comerciante de pequena dimensão, que sempre foram o esteio social e económico da País. Não imagino o PNR capaz de atrair esta Classe, mormente persistindo no braço estendido, no cabelo rapado e nas suásticas tatuadas.

Sem falsas modéstias, acredito que o Partido da Liberdade ganhará, aqui, o seu eleitorado, consolidando-se como referência nacionalista congregadora. Tudo leva a crer que estaremos, em 2009, aptos a disputar eleições, pese embora os elevados custos da decisão e dos parcos meios de que dispomos. Temos algumas vantagens, julgo eu: somos Sérios, temos Valores de que não abdicamos e nada prometeremos, salvo trabalho e sacrifício.

J Silva Pereira

Signatário do Partido da Liberdade
 
Manuel Abrantes escreveu:
"Portugal e os portugueses precisam de um grande partido Nacionalista"

Tem razão e acrescento
Um grande partido nacionalista também precisa de muitos manuéis abrantes.
Ricardo C.
 
DEUS, PÁTRIA E FAMÍLIA
Não é uma tentativa de voltar ao passado?
 
Sr(a) anonimo
DEUS-PÁTRIA E FAMÍLIA
Não é passado nem presente em termos de filosofia política.
DEUS-PÁTRIA E FAMILIA fazem parte dos três pilares de base da nossa sociedade.
Foi assim no passado, deveria ser assim no presente e é o ùnico caminho para o Futuro.
Manuel Abrantes
 
"...O PNR afastou-se – Bem! Diga-mos a verdade: nunca lá esteve – dos princípios que deveriam ser o mote para a implantação do Nacionalismo..."
Meu Caro Abrantes, não é bem assim, o PNR este muito próximo disso, o que acontece é que não convinha e daí o sistema ter dado uma mãozinha para o pôr de pantanas, não venham dizer que o PNR há uns anos atrás era um partido de extrema-direita, só que, como tu sabes, houve uma "auto-limpeza" e apenas ficaram (ou entraram), os elementos mais radicais "tendo conseguido" dar uma imagem racista e xenofoba ao partido, daí, eu não acreditar que jamais consigam sequer ter votos suficientes para eleger alguém e acrescento mesmo, muita sorte tem eles, se conseguirem ter os mesmo número de votos que tiveram em 2005.
As asneiras tem sido tantas, que já ninguém quer saber do PNR, práticamente a sua única preocupação parece ser a imigração, daí, ser conotado como um partido anti-imigracionista, tema dos dois cartazes que espalharam aí pela cidade, outros problemas graves e esses sim, que preocupam as pessoas, não foram tocados, ou não se deu por isso, como a Saúde, a velhice cada vez mais desprotegida, o consumo de drogas e outros vícios da Juventude, a ruína dos pequenos e médios empresários, quer sejam comerciantes, quer sejam agricultores, quer ainda do sector das pescas, que são arrasados pela enorme quantidade de grandes superfícies, que se abastecem principalmente no estrangeiro, sobre a dívida externa de Portugal nem uma palavra (duvido até, que hoje haja lá alguém, que saiba o valor aproximado da mesma, ou se tenha debruçado sobre a mesma), o futuro dos jovens e principalmente dos jovens licenciados, que poucas saídas tem, ou vão para caixas de supermercado ou emigram, os aumentos contínuos das prestações das casas que estão a arrasar as famílias, quiçá mesmo, a destruí-las, as obras faraónicas que se avizinham sem que se estudem alternativas mais condizentes com as nossas possibilidades, e muito mais coisas, nisso não pegam eles, possivelmente até porque não tem que esteja habilitado para isso, assim, esperar que esse partido cresça não passa duma miragem.
Por outro lado é preciso estratégia, não é nomear uma pessoa que até pode se um bom teórico de filosofia politica ou ideológica mas que não tem experiência de mobilização das massas, aliás prova disso, é a pouca participação que os "desfiles" do PNR tem, contam sempre de uma maneira geral com a indiferença da população, são sempre os mesmos que lá vão, isso em termos de votos não é nada e adivinha um percurso no deserto para esse partido.
Por outro lado, vão aparecer outras alternativas, quer seja o PL de Susana Barbosa, quer seja o MMS do Prof. Eduardo Correia, ou outros, que possivelmente ainda aparecerão, todos esses partidos ir-se-ão mover na fralda do PNR, mesmo que não sejam nacionalistas, ou seja, são partidos que vão buscar os votos dos descontentes com o sistema, e por conseguinte vão competir e fortemente, com o PNR, de modo, que eu penso que o PNR vai de vez parar a um qualquer gueto, e ficará lá a hibernar.
A culpa é de quem, pergunto eu?
Reflictam e vejam o que é ganharam com as ideias radicais.
Por isso meu Caro Abrantes, já nem vale apena falar do PNR como candidato ao que quer que seja, foi um sonho de alguns, mas como sonho que foi, esvaiu-se no ar.
Um abraço.

LUSITANO
 
Lusitano
Não deixas de ter razão em muitos (práticamente todos) aspectos.
Contudo quem se assume como Nacionalista não pode deixar de se debruçar sobre as praxis políticas do PNR.
O PNR é, ainda, - repito: ainda - a imagem dos Nacionalistas que é transmitida pelos média.
Nós sabemos que a grande maioria dos Nacionalistas não se revêm nessas, mesmas, praxis políticas.
Contudo, para a população os Nacionalistas são "aquela gente" que aparece nas acções do PNR.
Isto é que é a verdade "nua e crua".
Infelizmente, é !!!
Podem aparecer partidos muito próximos do Nacionalismo.
Mas - meu caro Lusitano - não acredito que se assumam claramente como Nacionalistas.
E o "problema" é que o PNR é o ùnico que se assume como tal.
Penso - é a minha opinião - que o Nacionalismo pode estar num beco sem saida.
Pelo menos nos próximos tempos.
Manuel Abrantes
 
«O PNR é, ainda, - repito: ainda - a imagem dos Nacionalistas que é transmitida pelos média.»

Esta afirmação está errada porque a imagem que é transmitida pelos media é a imagem que é transmitida pelos media.

Essa imagem transmitida pelos media procura dizer que o PNR é um partido de cabeças rapadas, mas só conheço um dirigente no PNR com cabeça rapada, o Humberto Nuno Oliveira.

Não acho correcto que alguém o queira obrigar a deixar crescer o cabelo, ou a mudar o seu pensamento, só porque os jornalistas querem.
 
Sr stevens
O problema não reside no corte do cabelo mas sim na ideologia.
Cabelo curto - hoje - a maioria dos jovens ( e menos jovens) também usam.
Os militares e paramilitares sempre usaram cabelo curto.
O problema não está no cabelo.
O problema está na ideologia e nos principios que defendem.
E sabe, perfeitamento, ao que me estou a referir.
O PNR tem uma responsabilidade histórica:
- Ou é o motor para implantar o Nacionalismo ou é o seu travão.
Como escrevi:
- A Historia vos condenará, ou enaltecerá, pelas vossas atitudes.
Eu gostaria de assitir, com os anos que me restam, ao crescimento de um grande partido Nacionalista.
Mas, tenho dúvidas.
Só espero estar enganado nas minhas dúvidas.
Manuel Abrantes
 
Sr Abrantes, obrigado por ter aceite a minha mensagem, sou obrigado a dizer que isso nem sempre acontece.

Quanto ao que afirmou, refiro que a ideologia do PNR (ou de outros partidos) está no seu programa político, estatutos, documentos, e não nas ideias individuais de cada militante.

O senhor Abrantes escrevia no site oficial do PNR e eu não concordava com algumas coisas que lá eram escritas.

Acha que eu devia ter proposto a sua expulsão por causa disso?

Ou acharia justo que isso acontecesse?

Pergunto ainda se defende que o PNR (ou outro partido qualquer) faça um questionário a cada militante perguntando o que ele pensa e no caso de diferir em algum ponto do programa político que o militante seja expulso?
 
Sr Stevens
Em primeiro lugar, neste espaço, só não são publicados os comentarios que contenham ofensas pessoais SEJA A QUEM FOR.
Em segundo lugar os artigos que foram publicados há anos atrás ( enquanto fui militante do PNR) no site oficial do partido, foram republicações de peças colocadas aqui no blogue "Estado Novo".
Aliás, como muitos outros blogues o fazem.
sr Stevens
Ninguem aqui falou em expulsões.
Os problemas (???) no PNR só competem ao próprio PNR em os resolver internamente.
Aquilo que eu desejo, como Nacionalista, é que o PNR seja um grande partido Nacionalista.
Pessoalmente, tenho dúvidas.
Muitas mesmo ...
Manuel Abrantes
 
Sr Stevens
Em primeiro lugar, neste espaço, só não são publicados os comentarios que contenham ofensas pessoais SEJA A QUEM FOR.
Em segundo lugar os artigos que foram publicados há anos atrás ( enquanto fui militante do PNR) no site oficial do partido, foram republicações de peças colocadas aqui no blogue "Estado Novo".
Aliás, como muitos outros blogues o fazem.
sr Stevens
Ninguem aqui falou em expulsões.
Os problemas (???) no PNR só competem ao próprio PNR em os resolver internamente.
Aquilo que eu desejo, como Nacionalista, é que o PNR seja um grande partido Nacionalista.
Pessoalmente, tenho dúvidas.
Muitas mesmo ...
Manuel Abrantes
 
Se o senhor saiu e se queixa de ideologias dos outros das duas uma:

- Ou não saía e ajudava a aumentar o número dos que professam o seu pensamento.

- Ou saíndo só se saíssem ainda mais que o senhor e daí a ideia de expulsões.

De qualquer forma a pergunta não foi por causa disso, foi porque disse que não concordava com a ideologia de alguns que lá andam, e a pergunta é se concorda que se expulsem outras pessoas por pensarem de maneira diferente.

No caso se concordava que alguém o expulsasse, ou se devia afastar-se, por pensar de maneira diferente do senhor.

Senão não estou a ver como se faria, havendo duas pessoas que não concordam uma com a outra, uma delas tem de expulsar a outra, ou uma delas tem de se auto-excluir, mas desistir não faz parte da luta do nacionalista.

Que propõe?
 
Sr Stevens
Vamos la falar sem metáforas.
O problema, para mim, está na filosofia Nacional-Socialista.
Eu não tenho dúvidas de que são os nacionais-socialistas que dão "vida" ao PNR.
São a maioria dos seus militantes e foram eles que, com a sua militância activa, não deixaram "morrer" o partido.
Disto não tenho dúvidas.
Pessoalmente, como não sigo nem defendo tal filosofia politica, só tinha um caminho: - SAIR!!!
A ùnica frase que o comunista Lenine disse, e com razão, foi:
- "Quando as divergências são de ordem estrategica não há mais razão para estarmos juntos".

Não é uma questão de expulsões. È uma questão de coerência politica.

Claro que podia ter ficado no partido e ter tentado alterar a correlação de forças.
Podia!
Só que, também, não acredito na capacidade de militância dos militantes que - mais ou menos - pensam (politicamente) como eu. Por isso achei que era uma luta inglória.
Afastei-me!
Contudo o PNR é, para mim, e até ao momento, o ùnico partido Nacionalista. Só que não acredito que, com Nacionais-socialistas a dar a cara pelo partido, este, consiga implantar-se na sociedade Portuguesa.
È a minha opinião!
Nada me move contra ou a favor de ideologias com as quais não concordo. Apenas não vou alinhar com elas apenas por questões de estratégia politica.
Prefiro estar só.
E estou !
Manuel Abrantes
 
Parece-me uma incongruência, por não concordar com alguns (nem que fossem 99,9%) afastar-se, visto que o que conta para definir a ideologia é o que está expresso nos documentos oficiais, nos programas, propostas, comunicados, símbolos, etc., que continuam nacionalistas e não outra coisa qualquer, e esses quem define são os seus dirigentes, não quem está afastado.

Já agora quem são os nacional-socialistas que dão a cara pelo partido?

Não precisa de dar muitos exemplos, basta um, com data, hora e nome.

PS: não esquecer que, politicamente falando, o senhor seguiu o mesmo caminho do advogado do Mário Machado, saiu do PNR depois das detenções, foi para o PND com ele, saiu do PND também, e agora "anda por aí" como o Santana Lopes (espero não me ter enganado, se enganei peço desculpas).
 
Está a ver sr stevens
DE uma possivel, e salutar, discussão sobre ideais o senhor passou logo para o ataque pessoal.
Não conseguem manter um diálogo sem o ataque pessoal e a blasfémia.
Eu nem sequer perguntei se o senhor era ou não do PNR.
Estavamos a discutir ideologias e estratégias de um partido e o senhor passou logo para o ataque pessoal.
Para mim acaba já aqui a discussão.

Ah! Gostei dessa do santana Lopes. E logo eu a seguir tal gente.
MA
 
É uma "boa" desculpa a questão dos "ataques pessoais" para nada se discutir.

Afinal de contas os partidos e as ideologias são feitas por pessoas, as políticas também, as atitudes também as tomam as pessoas, e se essas atitudes ou decisões são tomadas no âmbito político, nada têm de pessoal.

Pessoal é o que você faz na sua vida privada, as suas orientações sexuais, o que almoça e janta, a sua relação com os seus amigos, a forma como arruma as pantufas, e por aí fora.

Eu pedi-lhe um nome, de uma pessoa que siga e professe publicamente determinada ideologia, em nome de um partido político cuja lei obriga os dirigentes a serem conhecidos, não lhe pedi que contasse a vida sexual de ninguém.

Porque afinal de contas o senhor é que usou da blasfémia e não concretizou, o que me parece bem pior até do que se lhe tivesse perguntado pela vida sexual de alguém.
 
E afinal de contas o senhor é que disse preferir falar sem metáforas, em que ficamos?
 
sr stevens
Eu não disse que havia dirigentes que se assumiam publicamente, e em nome do partido, como nacionais-socialista.
Claro que não há. Não são ignorantes a esse ponto.
MA
 
"Contudo, os valores Pátrios têm a ver apenas com o nosso País e a sua história e não com conceitos e filosofias estrangeiras."

A «moral critã» é algo genuinamente Português, ou lá se é...

O «Portugal De Minho a Timor» é algo genuinamente Português, ou lá se é...
 
O PNR é dominado pela auto proclamada ala dura do partido, que por sua vez se autodominam de social nacionalistas, ou nazistas. Eles pensam que o são e gostariam de o ser, não se tem dúvidas, mas desde o querer a ser, há uma grande diferença.
Quando agora apareceram na Tv o Mário Machado a receber um "militante", e abraçando-se efusivamente, esta cena foi vista por muitos portugueses e muitos comentaram "que aquela gente até metem medo" e realmente o visual deles, com aquelas tatuagens e as cabeças rapadas não inspiram cofiança, pelo contrário.

No tempo de Hitler, eles eram simplesmente presos.......

Não, os nacionalstas querem para Portugal um partido nacionalista genuinamente português, que se interesse com as necessidades profundas dos portugueses e não percam tempo sobre a Sérvia ou quantas vezes Hitler ia passar férias, com a Eva.ou com os judeus e os ciganos e os negros, não eles decoraram aquilo e pensam que já sabem tudo.quando os problemas dos portugueses são outros.........
o PNR está simplesmente "queimado"e quem lá anda, os militantes ingénuos só estão a perder tempo.

Nós do PARTIDO NACIONALISTA PORTUGUES, ainda poderámos em reunir com o PNR e adquirir o PARTIDO desfazendo-nos da maioria dos que por lá andam, nem que para isso se pagassem indeminisações a cada um, mas não, depois de muita ponderação, concluíu-se que não há remédio..........
ENFIM A gestão do PNR, não é mã, é péssima, e para dizer a verdade não há nada errado com o PNR, há sim gente errada (e muita)dentro do PNR.

Por outro lado nós queremos para Portugal um Partido que dignifique os nacionalistas, os portugueses e Portugal.

Logo estar em formação o PARTIDO NACIONALISTA PORTUGUÊS.
Se és nacionalista, cidadão portugues e de maior idade e queres servir genuinamente o teu país então não deixes de nos contactarenviando o CV para
partidonacionalistaportugues@gmail..com
mas com urgência, pois muito em breve vamos nomear candidatos para dirigentes de Núcleos que serão devidadmente treinados, para estas funções que serão as Relações Púlicas do Partido nas principais cidades de Portugal começando para já com:
LISBOA
PORTO
COIMBRA
FARO

os quais serão devidamente remunerados, e com ajudas de custos pagos.
 
Esperamos, muito em breve, ter mais noticias do Partido Nacionalista Portugues
 
Não há nada errado com o PNR, há é gente errada na direção do PNR.
Um partido que fala mais em Adolf Hitler, e em Nacional Socialismo,do que nos problemas dos portugueses, está automaticamente queimado.

Se subirem nas eleições, ficarei admirado, porque muitos que ainda se encontram lá como militantes, estão com um pé dentro e outro fora.

Agora que estamos em vias de formar o PNP, bem temos visto os e-mails que temos recebido.

o PNR não tem uma má gestão, tem uma ´péssima gestão.
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]