domingo, junho 28, 2009



O PNR e o momento actual

Assinado por António de Oliveira Martins, o “Portugal Club” publicou um artigo sobre o PNR que merece uma profunda reflexão.
Aqui vai:

Portugal precisa de um verdadeiro movimento da chamada direita nacional, constituído por gente boa, de boa formação moral, bem intencionada, culturalmente rica, com capacidade de organização, e plena de Portuguesismo. O PNR foi, a meu ver, uma aposta adiada. Eu próprio acreditei neste partido na sua génese, tendo chegado a ser candidato nas suas listas. De facto, que pena ver os skin-heads e os pretensos nacional-socialistas nas fileiras deste Partido! Confesso que cheguei a votar uma ou duas vezes no PNR. Com entusiasmo. E não me envergonho disso. Porém, ao vê-lo como que invadido por grupos com ideologias superficiais inspiradas em modelos que nada nos dizem a nós, Portugueses, desisti com pena de seguir caminho com esta gente. Preferi percorrer um caminho sozinho, esperando por uma oportunidade credível. E conheço muitos Portugueses que se sentem como eu, que percorrem o mesmo “caminho da cruz”...

A reacção ao sistema suicida e corrupto que vivemos em Portugal, não pode ser feita com cabeças rapadas, nem com cruzes suásticas, tatuagens e correntes, "digeridas" muito superficialmente por alguns bandos de extremistas incultos que se arrastam pelos bairros dormitório satélites de Lisboa. Não que eu tenha complexos de esquerda, ou de direita. Muito pelo contrário. Mas penso que o PNR merece mais. E tem pessoas válidas nas suas fileiras. E é uma oportunidade, que ainda está a tempo de ser recuperada. A prova ficou com a prestação Nacional e culturalmente rica de Humberto Nuno de Oliveira na última campanha eleitoral. Portugal precisa de um verdadeiro Movimento Português, que una todos os nossos irmãos de boa vontade em torno da nossa história, em torno da reacção a este episódio negro que vivemos há 35 anos, e que alguns apodam de terceira república. Monárquico sem Rei, pouco me importa a República, antes, renego-a. No entanto, das três que tivemos, obviamente que escolho a segunda, a protagonizada por Salazar. A primeira e a última, foram miséria. Li algures que temos neste momento a mais alta dívida externa desde os longínquos anos 20! Isto significa que voltámos aos tempos de Afonso Costa. Isto significa que regredimos quasi 90 anos na nossa história. Atingimos números tenebrosos de um regime tenebroso, num outro, o que actualmente nos (des)governa, tétrico e deplorável. Nestas vésperas das tristes comemorações do centenário da república, Portugal merecia um PNR limpo de marginais, que fosse um exemplo de Portugalidade, de orgulho Pátrio, de reacção construtiva ao sistema e ao regime Maçónico que Abril nos impôs. Porque não dizê-lo, o PNR poderia e deveria ser, a meu ver, o veículo para o retorno às raízes católicas e prenhes de heroísmo da nossa história.

O PNR deveria ser aquele movimento contra-sistema que, de uma forma civilizada, apontaria os desmandos dos tempos que vivemos. Com coerência. Pelo exemplo. De uma forma construtiva. Incansável. Mas para isso teria que ser expurgado dessa espécie de energúmenos que lhe dão mau nome, e lhe não acrescentam nada. Antes pelo contrário. Tendo uma ideologia nacional tão rica, baseada na nossa história, que necessidade temos de ir “beber” a modelos passados, de inspiração socialista, e que, se tivessem vencido, provavelmente teriam ameaçado a nossa independência nacional, porque eram Imperialistas? E ainda por cima com elementos de nítidamente fraca formação, vazios de conteúdo intelectual e possivelmente moral.
Deixo aqui uma reflexão a quem dirige o PNR. Vivemos um momento em que temos todas as condições para, se organizados, protagonizar a mudança. Porque não agarrar a oportunidade, reestruturando-nos, e aproveitando todos aqueles que de boa vontade estão disponíveis para lutar contra o sistema? O PNR está na altura de decidir que rumo quer tomar. Por aí passa a diferença entre ser um pequeno grupo marginal com tendência a desaparecer, ou um amplo movimento da consciência nacional vilipendiada. Cabe-lhes decidir. Eu sei o que gostaria que acontecesse.

António de Oliveira Martins

Comentários:
Mas isso devia ser dito a eles directamente, começando pelo seu presidente e por todos os outros na direcção do mesmo. Muitos dos nacionalistas verdadeiros, andam a lutar por Portugal e para ver se de uma maneira ou de outra o País é governado por um governo NACIONALISTA de jeito, mas ao mesmo tempo além de se ter de encarar os diversos movimentos esquerdistas ainda se tem pela frente um outro problema que é o PNR, com uma gestão péssima devido a meia dúzia deles lá dentro que julgam ser a incarnação de Adolfo Hitler, e a sua continuação e querem para Portugal uma REPÚBLICA HITLERIANA e não são muitos, são os da Ala Dura do mesmo, e ai dos que se lhe atravessam pela frente, pois usam de táctivas e métodos
ameaçadores, que só denigrindo o PNR, o único partido verdadeiramente nacionalista legal em Portugal, obrigando muita gente a sair do mesmo,lgo serem mais os dissidentes, do que propriamente os militantes activos..............portanto que alguma coisa etá errada, lá isso está.
 
AMEN !!!

ANTONIO DE OLIVEIRA MARTINS nao podia, em tao poucas palavras, descrever melhor o desapontamento que ele e milhares de portugueses sentem ao ver o P.N.R. nas maos de neo-Nazistas e massa bruta marginal e arruaceira, os "Cabecas de Martelo'.

E nao creio que os poucos mas bons elementos que estao na direccao do P.N.R. tenham a coragem ou o poder para alterar seja o que for no curso que este partido vem seguindo rumo a uma auto-destruicao ingloria.

Nem creio que esses elementos capazes e honestos consigam de la sair pois acredito firmemente que estao refens das massas brutas que os intimidam com represalias sobre eles proprios e suas familias.

E sao gente muito capaz disso.
Infelizmente "quem ventos semia colhe tempestades", e foram esses mesmos dirigentes que -- sera que sabiam o que estavam a fazer? --criaram a situacao em que o P.N.R. hoje se acha. Desacreditado e sem futuro !

Talvez que seja a altura certa daqueles que buscam um Nacionalismo Portugues de suportarem um Movimento como o P.N.P. que e genuinamente Nacionalista Lusitano, Conservador e Cristao -- com tendencias Monarquicas mas bastante inclusivo -- que nao embarca em "fantochadas" falhadas importadas da estranja por gente vazia de ideias e sem futuro.
 
O ambiente que durante anos se viveu no PNR está perfeitamente descrito neste blog:
http://www.nacionalistascontraadelinquencia.blogspot.com/

Comentar aqui:
http://www.nacionalistascontraadelinquencia2.blogspot.com/

O PNR já não tem hipotese nenhuma de adquirir credibilidade. Os mortos não ressuscitam.
A imagem publica, fatal para um partido, que o PNR tem, é a de um partido de admiradores nostalgicos do III Reich e de Skinheads marginais. E não foi a comunicação social que lhes criou esta imagem. Foram eles proprios que o fizeram. A comunicação social, sempre à procura de coisas bizarras para encher os noticiários, limitou-se a explorar o filão de imagens e figuras caricatas que o PNR foi providenciando ao longo dos anos.
Talvez o novo Partido da Liberdade, de Susana Barbosa, possa vir a desempenhar o papel referido no post. A ver vamos.
 
Quem se diz nacionalista, ou patriota, ou o que queira, e não se rever no PNR só tem uma posição digna a tomar, optar por uma das alternativas acima descritas, o PL que pode vir a ser um partido legal de direita nacional ou o pseudo-partido PNP para quem gostar de masturbações delirantes.
Agora deixem é quem quer trabalhar no PNR em paz, é que estamos a 3 meses de eleições e há um mundo de coisas a fazer por Portugal e especialmente pelos portugueses.
 
Subscrevo tudo o que disseste camarada, estou contigo, mas enquanto não houver outro com força, o PNR contará comigo, apesar de toda a escória neo nazi que por la anda. Ainda hoje fui expulso do forum nacional por um comentario em que afirmei que stalin e hitler eram ambos uns criminosos, ofendi os carecas com isto e aqui se vê o que de mal vai naquele partido, mas gente como nós queremos um nacionalismo lusitano para Portugal
 
E eu fui expulso por ter dito que visitei Isreal...
 
O PNR não é alternativa a coisa nenhuma.Pelo menos é o que penso.
A "marca"está completamente queimada.Ninguèm "compra".
Sardoal
 
Contrariamente ao que muitos nacionaleiros aqui defendiam o PNR está a mudar.
Mas mudou porque alguns souberam lutar pata que isso acontecesse e não graças aqueles que nada fizeram; ou melhor tudo fizeram para desprestigiar o PNR.
 
Acredito ainda no nacionalismo, independentemente das ideologias que se tenham, aproveitem-se as melhores e as melhores que servem o povo português. Mas é algo ingrato, haver pessoas cujas as quais o trabalho não é com eles, não se pode culpar constantemente os militantes, quando os mesmo dão ideias concebíveis, e nada é feito, alem do mais muitos são aqueles que na própria casa não partilham das suas ideias para um bem comum, por invejas e mesquinhices irracionais. Quero acreditar que o PNR um dia consiga ir lá! Agora por pena minha, não acredito em tal partido, dizem que muda mas não sai da cepa torta... Partidos da Liberdade e PNP's são lixo! Se as pessoas não souberem aproveitar do PNR e construílo devidamente, endireita-lo! O Nacionalismo está morto! Porque o sistema nunca permitirá a criação de um partido com ideias semelhantes.
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]