terça-feira, agosto 07, 2007

"QUANDO AS DIVERGÊNCIAS SÃO DE ORDEM ESTRÉGICA
NÃO HÁ MAIS RAZÃO PARA ESTARMOS JUNTOS"



Esta foi, talvez, a única verdade que o líder comunista russo, Vladimir Ilich Ulianov – Lenine, disse e escreveu. Isto - é claro - na minha óptica.
Qualquer comunista não perfilhará do mesmo pensamento.

Mas o que é que esta frase tem de especial ?
Tem a ver com entradas e saídas de militantes nos respectivos partidos.
Qualquer militante quando adere a um determinado partido é porque se identifica com a sua linha de acção e de programação. Pode-se identificar, ou não, com uma ou outra direcção política mas a base da adesão é no partido e não nos rostos deste ou daquele dirigente. Caso contrário, como não há dirigentes eternos (nem no PCP), está sujeito a ter de mudar, constantemente, de partido. Isto, porque as caras mudam como mudamos de camisa. O que não é de criticar e é, até, bastante salutar.
Mas há algo que só por força maior o militante muda: - A raiz da sua linha de pensamento ideológico.

Contudo, havendo ideologias que à primeira vista parecem ser contraditórias acabam por ter mais pontos convergentes do que divergentes. Isto pode levar também a que um militante possa, também, mudar de “de campo” – como se diz na gíria.
Nada disto é negativo. Até porque, neste último caso, o militante quando mudou “ campo” não mudou a raiz da sua estrutura ideológica, limitou-se a agarrar os pontos convergentes em detrimento dos pontos divergentes.
Vejamos o caso do Nacionalismo.
O Nacionalismo para crescer no campo eleitoral tem de conquistar votos. Se tem de conquistar votos, tem de ir busca-los onde?
Claro, a pessoas que já votaram PS, PSD, CDS, etc e porque não;. PCP ?
A não ser que estejamos à espera que nasça uma nova geração que vote Nacionalismo.
Bem podemos esperar sentados…

Ao fim e ao cabo o que é que pretendo transmitir, no fundo, com tudo isto?
-È que um militante de um determinado partido quando sai não pode (não deve) passar de bestial a besta.
Ontem foi um militante exemplar com muitas palminhas e, só porque deixou de acreditar num determinado projecto político ou num determinado rumo partidário, quando pede a demissão leva logo com uma série de impropérios e é de imediato considerado como um perigoso inimigo.
O respeito anterior que detinha transformou-se na chacota própria das “gaiatices” de gente grande.

Que isto se passe nos partidos da luta pelo tacho eu, não aceitando na mesma, critico menos se o caso for no campo Nacionalista.
Um Nacionalista tem de saber respeitar a opinião seja de quem for e, muito especialmente, deste ou daquele que deixou de fazer parte de um determinado grupo.
O Nacionalismo em Portugal não tem donos nem senhores da verdade absoluta. Ou melhor: não deve.
Estamos na fase da discussão e da clarificação. Isto só quer dizer que estamos numa linha de partida e que, por esse facto, qualquer Nacionalista se posiciona onde quer e onde lhe pareça ser mais útil para a Causa.

Há um único partido legalizado oficialmente que se assume como Nacionalista: O PNR.
Mas ninguém deixa de ser menos Nacionalista porque não se revê nele, nem nos seus dirigentes nem na sua praxis política.
Nenhum Nacionalista deixa de o ser só porque não concorda – ou deixou de concordar – com a praxis politica do PNR ou de qualquer outro partido ou organização que possa aparecer dentro da mesma linha.
Eu sou Nacionalista é não aceito radicalismos sejam de que espécie for.
Vou deixar de ser Nacionalista por isso?
Pensem nisto. E vamos lá ter “um pingo” de dignidade do meio disto tudo
Manuel Abrantes

Comentários:
Manuel Abrantes
O meu amigo que não tive até ao momento do prazer em o conhecer pessoalmente acaba de gritar aquela máxima bem portuguesa:
- O REI VAI NÚ!
Refiro-e a este post assim como os que acusa o radicalismo como factor perjorativo do nacionalismo e especialmente quando acusa de um certo exegero a figura carismática-mediática-promocional (auto-promoção) de um pseudo-chefe de um partido.
- O REI VAI NÚ

saudações
 
nem acredito no que tenho lido.
esta gente tem um tipo com dois dedos de testa.
nem acredito na sua prosa mas que mostra alguma sensatez reconheço que sim
 
Concordo com a escrita de helemartins.
Foi um gritar : o rei vai nú.
pelo menos há alguém a querer colocar dignidade no Nacionalismo e a colocar as questões de forma saudável e sem filosofias de copianço do passado.
Pela primeira vez houve alguém que se definiu pelo Nacionalismo Democrático.
Continue porque há muita gente atenta ao que escreve
 
Senhor Manuel Abrantes
Pode ter dúvidas. Mas a maioria dos Nacionalistas estão com as posições que o senhor assumiu.
Podem ter medo de comentar e até em dar a cara.
O PNR está refém de um bando de marginais e o seu presidente não passa de um boneco nas mãos deles.
Provavelmente naºo se importa porque o que quer é ganhar um lugarzinho na Assembleia da República e ter a vidinha arranjado por quatro anos.
Mantenha essa coragem e continue a defender a Democracia como uma via para o Nacionalismo.

atenção: vou ficar aqui como anonimo mas vou enviar um e-mail para me identificar perante o senhor.
Eu tenho o seu endereço espero que ainda seja o memmo.
Viva POrtugal
VIVA O NACIONALISMO
VIVA MANUEL ABRANTES
 
Não diria que o Rei Vai Nú
Porque nunca chegou a ser rei de coisa nenhuma e está transvertido em radical de coisa alguma.
Pinto Coelho não é o lider dos nacionalistas é o lider de uma facção radical que de nacionalistas não têm nada
 
«...O Nacionalismo para crescer no campo eleitoral tem de conquistar votos. Se tem de conquistar votos, tem de ir busca-los onde?
Claro, a pessoas que já votaram PS, PSD, CDS, etc e porque não;. PCP?...»



---» Quando perceberem que o potencial de crescimento é muito limitado... das duas uma:
1) ou tornam-se nuns idiotas que andam por aí aos berros "traidores, traidores, traidores";
2) ou tornam-se nuns figuras tristes à Le Pen: Jean-Marie Le Pen, jornal Correio da Manhã, 2007-04-23: «... aparentemente os franceses estão satisfeitos com a sua situação, eu pensava o contrário...»
 
eu nao sei o que é que este senhor está á espera para sair do pnr visto que nem ele tem confiança no partido nem o partido tem confiança nele, portanto so lhe resta sair de facto, nao andar no seu blog com conversa de burro velho.
 
Sr Anónimo de cima
O senhor fui incubido para as pressões?
É o senhor que está de serviço
Não se preocupe "o burro velho" tem idade suficiente para saber qual a melhor atitude a tomar.
 
Parabéns pela excelente análise e texto, do qual eu concordo integralmente
 
Viva POrtugal
VIVA O NACIONALISMO
VIVA MANUEL ABRANTES

ABRANTES PRA PRESIDENTE. JÁ!
 
Presidente eu ?
Nem lá em casa...
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]